carregando...

4º Simpósio Internacional de Reanimação Neonatal

Arquivo 29/08/2011

 Com mais de mil inscritos, o 4º Simpósio Internacional de Reanimação Neonatal será realizado em São Paulo, entre 08 a 10 de setembro, tendo na pauta as novas diretrizes elaboradas pela International Liaison Committee on Resuscitation (ILCOR).

– Após revisão baseada nas melhores evidências científicas, foram refeitos consensos e recomendações terapêuticas para diversos aspectos da reanimação neonatal. A partir do documento do ILCOR, cada país está adaptando as condutas às suas especificidades – informa o dr. Sérgio Marba, presidente do evento.

Para as palestras, a Comissão Organizadora do Simpósio convidou professores  do Brasil e do exterior, entre os quais integrantes do ILCOR que participaram ativamente da elaboração das novas condutas, como os drs. Colin Morley (Melbourne, Austrália), Jeffrey M. Perlman (Nova York, EUA) e Susan Niermeyer (Denver, EUA).

O Programa da SBP

Tendo treinado mais de 35 mil médicos e 11 mil auxiliares, com cerca de 850 instrutores nos diversos estados, o Programa de Reanimação Neonatal do Brasil é o segundo maior do mundo e tem como objetivo contribuir para a redução da mortalidade perinatal, levando mais qualidade ao atendimento da criança em sala de parto:

– Ainda morrem 15 recém-nascidos por dia no País em decorrência de condições associadas à asfixia perinatal, informa o dr. Marba, destacando que desses, cinco nasceram no tempo certo e sem malformação.

Ao todo, 6% dos bebês a termo precisam de ventilação. Dos pré- termo tardio, são 14 % e dos que nascem com peso abaixo de 1500 gramas, 60%. “Estamos falando de um grupo de cerca de 200 mil bebês por ano, cerca de 7% dos nascidos vivos no Brasil”, diz a dra. Maria Fernanda Branco, coordenadora do Programa da SBP, juntamente com a dra. Ruth Guinsburg.

Durante o Simpósio, também ocorrerá a reunião geral dos instrutores do Programa e será realizado, com o grupo executivo e os 54 coordenadores estaduais, o primeiro Curso de Reanimação de Prematuros.

– O prematuro tem necessidades específicas na sala de parto. São cuidados com temperatura, ventilação,  aspectos específicos da entubação. O curso é prático e tem seis horas – explica a dra. Maria Fernanda, adiantando que, na sequência, os coordenadores, já capacitados também especificamente para o prematuro abaixo de 34 semanas realizarão o treinamento em todos os estados. A participação dos coordenadores no Curso é fruto do convênio da SBP com o Ministério da Saúde.

Ainda há algumas vagas para o Simpósio. Clique aqui, saiba mais e participe!