carregando...

Bancárias do Banco do Brasil conquistam licença-maternidade

Arquivo 30/03/2009

Banco do Brasil
Licença-maternidade de seis meses já beneficia bancárias do Banco do Brasil. Sindicato reivindica que as outras instituições façam o mesmo

São Paulo – “Fiquei sabendo da notícia pelo site do Sindicato e fiquei muito feliz por saber que ficarei mais um pouco com minha filha”. Assim a bancária Natália Mesquita Juvenal (foto), da agência Eusébio Matoso do Banco do Brasil, relata o momento em que tomou conhecimento de que ganhou mais dois meses com a filha Joana, que deve nascer na próxima semana.
A ampliação da licença-maternidade de quatro para seis meses foi confirmada em negociação entre Sindicato, Contraf-CUT e a direção do BB na semana passada e é retroativa a 25 de novembro de 2008.
Natália que será mãe pela primeira vez lembra que uma das recomendações de sua médica era de que deveria adiar ao máximo o início do afastamento, justamente para ficar por mais tempo e poder amamentar melhor a Joana. “Trabalhar nos últimos dias de gravidez é muito cansativo. Com essa mudança, as gestantes podem se programar melhor e repousar mais para ter um bom parto. Isso sem contar que poderei amamentar por muito mais tempo”, comemora.
Da mesma opinião é Michelle Bastos Lima, funcionária do BB em São José dos Campos, que está em licença-maternidade desde fevereiro, quando deu à luz Eloah. Por ser seu segundo filho – Enzo, o primogênito, tem 3 anos –, sabe bem a importância de dois meses a mais para cuidar da criança. “Uma das maiores preocupações é manter a amamentação por um tempo mais prolongado. Tive dificuldades em desmamar o Enzo e senti muito essa situação. O problema será bem menor com a Eloah.”
Questionada se o afastamento por 180 dias prejudicará sua carreira, é enfática. “Preocupação existe, ainda mais no ambiente competitivo que se instalou no BB, mas nada se compara a essa tranqüilidade que terei, ficando um pouco mais com minha filha para poder amamentá-la por um período maior”, revela.

Saúde – De acordo com a Sociedade Brasileira de Pediatria (www.sbp.com.br), que há vários anos defende a ampliação da licença-maternidade, os 180 dias para amamentação previnem o surgimento de doenças comuns nos dois primeiros anos de vida e reduzem o risco de enfermidades do adolescente e do adulto como a obesidade, hipertensão arterial, diabetes, alergia, doenças coronarianas e algumas formas de câncer, como os linfomas.
Em março, mês das Mulheres, o Sindicato iniciou um grande debate com a sociedade para que todos os bancos ampliem a licença-maternidade. Além disso, deu o exemplo e passou a conceder os 180 dias para as funcionárias gestantes.
“Todos os bancos têm condições de fazer o mesmo. As trabalhadoras merecem ter esse período para ficar com seus filhos”, diz Juvandia Moreira, secretária-geral do Sindicato.

Jair Rosa – 02/04/2009
Sindicato dos Bancários de São Paulo