carregando...

Cancelamento de pediatras só em dois meses

Arquivo 15/07/2009

“(…) O Correio convidou os leitores a participarem de uma enquete por SMS sobre o movimento dos pediatras. A pergunta era: “Os pediatras dizem receber pouco (até R$ 40 por consulta) dos planos de saúde. E decidiram boicotar. Você concorda?”. Às 20h de ontem, a pesquisa foi encerrada. Apesar de deixar muitos pais preocupados, amobilização dos médicos recebeu o apoio de 83% das pessoas que responderam à enquete pelo celular. Apenas 17% se disseram contrárias ao protesto.

15.07.2009

 Médicos de Brasília prometeram suspender atendimento a partir de hoje aos usuários dos planos de saúde, mas os contratos com as operadoras exigem prazo para consultas de 60 dias antes da rescisão

Helena Mader

O boicote aos planos de saúde será definido hoje pelos pediatras de Brasília. Eles reúnem-se à noite para decidir quando os contratos com as empresas de convênios começarão a ser rescindidos. O 15 de julho era a data-limite estabelecida pelos médicos para que as operadoras apresentassem propostas de reajuste no valor das consultas. Como as negociações não avançaram, os profissionais garantem que vão suspender os atendimentos pagos pelos planos. Mas a população só sentirá o impacto das decisões a partir de setembro. Isso porque o processo de cancelamento dos contratos entre os convênios e os médicos dura, em média, 60 dias.

Apesar de os diálogos entre as partes não terem evoluído, os pediatras ainda têm esperanças de um acordo. Isso porque médicos de todo o Brasil começaram a aderir ao movimento liderado pelos profissionais de Brasília. No próximo dia 27, haverá um protesto nacional, possivelmente um dia de boicote aos convênios em todos os estados. Nessa data, comemora-se o Dia do Pediatra.

Para o pediatra José Marco Andradeum dos articuladores do movimento e integrante da Sociedade Brasileira de Pediatria no DF, a mobilização nacional deve levar as empresas a uma negociação. “A intenção é preservar nossa especialidade, que tem sofrido muito com os abusos cometidos pelos planos de saúde. Com o surgimento de um movimento nacional, os médicos terão consciência e coragem para reagir contra isso”, destaca José Marco.

De R$ 24 a R$ 40

As negociações com as operadoras começaram há cerca de três meses. No último dia 1º, os pediatras fizeram uma paralisação em todos os hospitais particulares e consultórios do DF. Os pacientes com plano de saúde tiveram que pagar R$ 90 pelas consultas — valor pleiteado como preço base para o pagamento dos profissionais. Hoje, os repasses variam entre R$ 24 e R$ 40 por atendimento. “Vamos decidir de que forma será feita a rescisão dos contratos. A tendência é que primeiro sejam rompidos os acordos com empresas que pagam menos pelas consultas”, conta José Marco Andrade.

Negociações

Os pediatras querem receber dos planos R$ 90 pelas consultas e também reivindicam que as operadoras paguem pelas consultas de retorno e visitas extras a pacientes internados em hospitais. As associações que representam os planos de saúde informaram que cabe a cada empresa negociar os valores repassados por atendimento diretamente com os médicos.

Boicote apoiado

Na edição de ontem, o Correio convidou os leitores a participarem de uma enquete por SMS sobre o movimento dos pediatras. A pergunta era: “Os pediatras dizem receber pouco (até R$ 40 por consulta) dos planos de saúde. E decidiram boicotar. Você concorda?”. Às 20h de ontem, a pesquisa foi encerrada. Apesar de deixar muitos pais preocupados, a mobilização dos médicos recebeu o apoio de 83% das pessoas que responderam à enquete pelo celular. Apenas 17% se disseram contrárias ao protesto.