carregando...

"Integradão”destaca promoção da saúde e união com educadores

Arquivo 06/09/2007

 

 

Com cerca de 700 pessoas, entre participantes e professores, o 6º Congresso Brasileiro de Pediatria Ambulatorial, Saúde Escolar e Cuidados Primários

Com cerca de 700 pessoas, entre participantes e professores, o 6º Congresso Brasileiro de Pediatria Ambulatorial, Saúde Escolar e Cuidados Primários “superou todas as expectativas”, comentou a presidente do evento, dra. Maria de Lourdes Vieira. “Eram seis salas com atividades simultâneas e grande participação”, disse, chamando a atenção para a satisfação dos congressistas também com as palestras programadas pelo Departamento de Saúde Mental –
uma novidade desta edição.

“Foi uma integração, um congraçamento impecáveis”, comemorou também a presidente da Sociedade Alagoana de Pediatria (SAP), dra. Sonia Maria Uchôa de Oliveira, destacando a importância histórica do congresso integrado dos Departamentos, que retornou agora ao seu ponto inicial, já que ali mesmo em Maceió foi realizado o evento que, em 1994, iniciou essa bem sucedida reunião de pediatras e educadores. Por isso mesmo, o presidente de honra foi o dr. José Gonçalves Sobrinho, que dirigiu a primeira edição.

Na abertura, dr. Eduardo Vaz, presidente em exercício da SBP, destacou o atual momento da pediatria brasileira, “quando voltamos nossa atenção, de maneira especial, aos princípios que norteiam nossa prática, com ênfase na promoção da saúde e no crescimento e desenvolvimento de crianças e adolescentes e nos aproximamos, cada vez mais, da população, com uma campanha importante como a que vai proporcionar a licença-maternidade de seis meses. Mais do que nunca é preciso proporcionar às mães e seus filhos a possibilidade de desenvolverem um forte vínculo afetivo, pois sabemos que para as crianças isso pode significar juventude e vida adulta com mais estabilidade emocional e melhor interação social, prevenindo até mesmo a violência”, ressaltou.

A integração de várias áreas do conhecimento e com os educadores, também chamou a atenção da dra. Ana Mary Mendes Ribeiro, congressista de Alagoas: “muitas doenças têm origem social e precisamos estar atentos”, disse, elogiando também a oportunidade de contato com professores de todo o Brasil”. Para Cristina Clavis, do Distrito Federal, que trabalha na Secretaria de Saúde e costuma visitar várias escolas, a união dos assuntos e as novas abordagens trazidas pelos palestrantes foram “muito interessantes”. Entre as aulas, destacou as que abordaram a prevenção da violência e a Aids em crianças. Ana Ribeiro gostou particularmente da mesa mesa-redonda que discutiu a qualidade de vida do pediatra: “é importante prevenir também o estresse entre os profissionais”, disse.

Paralelamente ao Congresso, os Departamentos Científicos de Pediatria Ambulatorial, Cuidados Primários, Saúde Escolar e Saúde Mental –  responsáveis pela programação científica do evento, juntamente com a SAP – aproveitaram para se reunir e contaram com a participação dos diretores da SBP, os drs. Eduardo Vaz, Edson Liberal (secretário-geral) e Ercio Amaro Filho (diretor de Cursos e Eventos).

64º CURSO NESTLÉ discute a nutrição no crescimento e no desenvolvimento 

64° Curso Nestlé de Atualização em Pediatria recebeu cerca de dois mil e quatrocentos médicos de todas as regiões do País

O 64° Curso Nestlé de Atualização em Pediatria recebeu cerca de dois mil e quatrocentos médicos de todas as regiões do País, em agosto, em Florianópolis, em Santa Catarina. Organizado pela Nestlé, em parceria com a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) e a Sociedade Catarinense de Pediatria (SCP), o evento reuniu 64 professores em 16 mesas-redondas e 48 palestras.

Durante os quatro dias, foram discutidos os mais recentes conhecimentos da área de nutrição, voltados ao crescimento e ao desenvolvimento de crianças e adolescentes. Estiveram no foco do debate o aleitamento materno, a alimentação complementar, a educação nutricional, déficit de crescimento, fortificação de alimentos, deficiência de ferro, alergia alimentar, obesidade/diabetes, fome oculta e alergia às proteínas do leite de vaca e também temas como a hipertensão, a anorexia nervosa, e questões relacionadas à bioética e à defesa profissional, entre outras. Criado em 1956, o curso já contou com a participação de 60 mil profissionais. A cada ano é realizado em uma região diferente do País.