carregando...

Pediatria e Dia Nacional de Combate ao Fumo

Arquivo 29/08/2014

logo sbp verticalSão irrefutáveis as evidências científicas sobre a gravidade do tabagismo em nossa sociedade e o prejuízo que traz à saúde do indivíduo.

O Pediatra é um educador, formador de opinião, profissional que lida diretamente com o crescimento e o desenvolvimento de crianças e adolescentes, sendo fundamental ter em mente uma atuação baseada no conceito ampliado de saúde.

É preciso que o Pediatra esteja bem informado sobre esta temática. Prevenindo a iniciação tabágica, especialmente o cigarro, estamos atingindo o alvo de outras drogas, lícitas (álcool) e ilícitas, importante problema de saúde pública, com graves consequências para as famílias de qualquer classe social.

O Pediatra precisa atuar dialogicamente e estimular sempre um estilo de vida saudável para a criança e sua família.

O tabagismo passivo também deve ser foco de alerta pois trata-se de fator de risco comprovado para doenças respiratórias na infância, como asma e pneumonia.

 

A prevenção

Estimular toda família a hábitos de vida saudáveis: pais/responsáveis que não fumam são bons exemplos/ espelhos.

Exercer maior vigilância quando são filhos de dependentes de drogas.

Compreender e dar limites às crianças e adolescentes.

Lembrar que crianças com comportamento “difícil” ou agressivo, inquietas, que não aceitam limites desde a educação infantil, são mais vulneráveis às drogas e merecem maior vigilância.

 

Orientação àqueles que fumam:

1) Reconhecer que o tabagismo repercute em vários setores:

Na saúde individual e coletiva, é uma epidemia global com estatísticas assustadoras;

No setor econômico, principalmente quando mais de uma pessoa na casa é fumante e fuma todos os dias, especialmente para famílias de baixa renda;

No setor social, com restrições cada vez maiores para fumar em ambientes coletivos, fechados ou de baixa ventilação, causando conflitos e constrangimentos com a legislação.

No ambiente, onde temos mais de um bilhão de fumantes no planeta, impressionante número de guimbas poluidoras no meio ambiente a cada dia, além dos incêndios e desmatamentos.

2) Orientar quanto à redução do consumo e à necessidade de estipular uma data para a cessação.

3) Beber mais água.

4) Quebrar rituais de conduta que favoreçam o vício.

5) Evitar ambientes de alto risco (com fumantes e bebidas alcoólicas).

6) Aumentar a atividade física.

7) Nunca fumar dentro de casa, mesmo que esteja sozinho, no banheiro, nas janelas; nem no carro. Devemos prevenir o tabagismo terciário.

8) Procurar ajuda com profissional de saúde: compartilhar com profissional da Saúde Mental, Educador Físico, Nutricionista, envolvendo a família  e a escola.

 

Katia Oliveira Machado e Maria de Fátima Pombo, Grupo de Trabalho de Prevenção ao Tabagismo da SBP.