carregando...

Saiba o que precisa ser observado nas creches para escolher a ideal para o seu filho

Arquivo 08/01/2013

Por Daniele Maia

Rio – Se pudessem, as mamães ficariam grudadas nos filhos o tempo todo. Mas não tem jeito. A vida moderna impõe que elas voltem ao trabalho, mais cedo ou mais tarde. Surge então a necessidade de colocar as crianças na creche. Mas qual a qual a melhor opção?

Para a psicóloga Gabriela Dal Forno Martins, da Zelo Consultoria em Educação e Desenvolvimento Infantil, é importante que os pais dediquem um tempo para pesquisar e assim decidir com segurança: “Não adianta se basear apenas na indicação de amigos. O lugar ideal tem de oferecer segurança física, mas a escolha também precisa refletir os valores e anseios nos quais sua família acredita. E, claro, a criança tem que ter prazer em estar lá.”

Nesse sentido, é importante analisar o projeto pedagógico seguido pela creche, conhecer as atividades oferecidas, ir ao local para verificar a higiene, a limpeza, o nível de segurança das instalações e o mais importante: perguntar qual o número de funcionários por sala.

De acordo com a Secretaria de Educação Básica do Ministério da Educação, cada administração municipal é responsável pela fiscalização, regulamentação e aprovação do funcionamento de creches públicas e particulares. Por isso, cada município estipula, por exemplo, o número ideal de educadores baseado no de crianças. “Para bebês de 4 meses a 1 ano e meio, a maioria fala em seis crianças para um educador em sala. Mas como profissional da área, defendo que o número ideal seja de três crianças por um educador”, diz Gabriela.

Para o médico Abelardo Bastos Pinto Junior, do Departamento Científico de Saúde Escolar da Sociedade Brasileira de Pediatria, os pais devem ficar atentos a outros pontos: “Perguntar como a creche se comporta em caso de alguma ocorrência de doença é fundamental. Algumas são mais condescendentes e permitem que a criança vá caso esteja gripadinha ou com uma pequena febre. Não pode. Isso dissemina as doenças virais.” Segundo Abelardo, criança na creche está mais propensa a ficar mais doente. Com um maior convívio com outras pessoas, está mais suscetível a trocas de vírus. Nada assustador.

Apenas tenha bom senso: não leve seu filho para a creche quando isso acontecer. Sob cuidados médicos e carinho familiar, logo, logo ela estará boa.

Para Alessandra Cunha, a escolha feita por ela e pelo marido foi a mais acertada: “Minha filha ama ir para a creche. Ela é superesperta e se desenvolveu muito nesse período que está lá”, disse sobre Lenira Cunha, de 2 anos, que há um ano está na creche Pontinho-Ilha, da rede Pensi de Educação, na Ilha do Governador.

Vantagens

Propicia estímulos variados através das brincadeiras e do convívio com os iguais

Favorece a socialização das crianças

Desenvolve mais rapidamente a linguagem

Estimula a curiosidade e a autonomia
Ensina a desde cedo dividir, compartilhar.
Desvantagens
Para o pediatra Abelardo, a única desvantagem é a maior probabilidade que as crianças passam a ter de contrair doenças.

Já á psicóloga Gabriela aponta outro risco: “Algumas famílias confundem a relação e delegam à creche a responsabilidade total na criação dos filhos, deixando-os 10, 12 horas na creche. O ideal é um período de 6 a 8 horas”, recomenda ela.

FIQUE DE OLHO
As escadas devem ter proteção e os móveis devem ser projetados para o tamanho das crianças

As tomadas não devem estar aparentes. O ideal é que fiquem na parte superior da parede.
Controle de entrada e saída das crianças apenas por pessoas previamente autorizadas

Pergunte o número mínimo de profissionais em cada sala e também no berçário