carregando...

Segurança dos ciclistas

Departamentos Científicos 07/11/2014

Costumamos ouvir que vivemos numa sociedade sobre rodas: veículos motorizados e não-motorizados nos rodeiam. Nas cidades grandes, somente em situações especiais, as pessoas andam a pé. Por isso o homem moderno passou a se preocupar com o trânsito, espaço onde pedestres, motoristas, passageiros, ciclistas, motociclistas se encontram: cada um com seu direito, compromisso e responsabilidade.

Neste contexto, a bicicleta, meio de transporte eficiente, barato, que não polui o meio ambiente, constitui uma forma agradável de se praticar atividade física, sendo atraente para crianças e adolescentes, revelando-se também uma atividade de lazer. Mas andar de bicicleta envolve riscos de traumas. Entre outros, há casos de lesões na face, nos dentes e fraturas de pernas e braços. Os traumatismos cranianos, pelo risco de sequelas neurológicas e mortes, sem dúvida, constituem uma grande preocupação, o que ressalta a importância da prevenção.

A escolha da bicicleta

Recomenda-se que os pais, antes de comprarem a bicicleta para o filho, orientem-no a respeito da segurança no trânsito e adquiram o capacete, as luvas e os protetores de joelhos e cotovelos. Somente após essas medidas é que deverão comprar a bicicleta. Esta postura é necessária para que, desde cedo, o filho se conscientize de que, para andar de bicicleta, é necessário estar preparado.

A criança deverá participar tanto da escolha da bicicleta, inclusive para que possa ser adquirida a de tamanho correto, quanto da compra dos equipamentos de proteção, em especial do capacete, para que se sinta  mais motivada a usá-los.

A bicicleta deve ser do tamanho correto para o ciclista, não deve ser maior, porque é mais difícil controlar uma bicicleta de tamanho grande. Considera-se adequado o tamanho, quando a criança, assentada no selim, segurando o guidão, conseguir apoiar completamente os pés no chão. Bicicleta com duas rodas podem ser usadas a partir dos sete anos aproximadamente, mas os pais, independentemente da idade da criança, devem avaliar se o filho tem ou não capacidade para andar de bicicleta.

A bicicleta e o trânsito

A bicicleta deverá ser vista como um veículo, o que ela realmente o é, nunca como um brinquedo, e o ciclista é considerado um condutor vulnerável no meio do trânsito. Assim, os pais, além de ensinar os filhos a andar de bicicleta, devem orientá-los e conscientizá-los da necessidade de fazê-lo com segurança.

Os locais mais seguros para andar de bicicleta são as ciclovias e as áreas destinadas ao ciclismo, por serem reservadas apenas ao trânsito de bicicletas, separando-as de caminhões, carros e ônibus porque, no meio do trânsito, o ciclista está sujeito a acidentes graves.

Se o adolescente necessitar usar a bicicleta como meio de transporte, os pais devem avaliar o trajeto, explicar-lhe a respeito dos riscos em estacionamentos, avenidas, cruzamentos e ruas. Devem também recomendar-lhe muita atenção durante todo o percurso, observando se há, na pista, acúmulo de água, areia, buracos, depressões e quebra-molas que aumentam o risco de acidentes. O jovem ciclista deve evitar morros íngremes, pois é difícil o controle da bicicleta na descida.

Se houver necessidade de o ciclista pedalar no trânsito, o que é perigoso, ele deverá andar sempre pela direita, no mesmo sentido dos demais veículos, nunca na contramão.

É indispensável que o adolescente conheça a sinalização, as normas de segurança e seja capaz de colocá-las em prática.

Cuidados ao andar de bicicleta

Para que a criança e o adolescente façam uso adequado da bicicleta com segurança e com comportamento solidário, vale a pena que as seguintes orientações sejam observadas.

  1. Andar de bicicleta somente durante o dia, evitar o entardecer e a noite.
  2. Usar roupa que facilite a visualização do ciclista, o que é muito importante.
  3. Evitar excesso de velocidade.
  4. Transportar somente uma pessoa por vez em cada bicicleta.
  5. Não andar de bicicleta com os pés descalços; deve-se, também, evitar calçados que possam prender-se na bicicleta.
  6. Não tirar as mãos do guidão nem realizar manobras perigosas; não fazer “acrobacias” com a bicicleta.
  7. Pedalar no sentido do trânsito, nunca na contramão.
  8. Conhecer e respeitar a sinalização do trânsito.
  9. Nunca andar segurando nas traseiras de ônibus ou caminhões.
  10. Evitar o uso de fones de ouvido, pois, além de impedirem a imprescindível atenção aos sons ambientais, levam a distração, aumentando os riscos.
  11. Não usar bebida alcoólica e drogas, pois o risco de acidentes aumentará muito.
  12. Fazer revisões periódicas e manutenção das correntes, freios e calibragem adequada dos pneus da bicicleta. Muitos acidentes acontecem quando a bicicleta não está em boas condições para circulação, assim, a manutenção da bicicleta é um ponto importante de segurança.

Equipamentos para ciclistas

O Código de Trânsito Brasileiro, no artigo 105, parágrafo VI, considera os seguintes equipamentos como de uso obrigatório para as bicicletas, “a campainha, sinalização noturna dianteira, traseira, lateral e nos pedais, e espelho retrovisor do lado esquerdo”.

Capacete

Estudos mostram que a maioria das hospitalizações e mortes de ciclistas é devida a traumatismo craniano; ressaltam, também, a importância do uso do capacete para evitar e/ou diminuir a gravidade desses traumatismos, as sequelas neurológicas e a morte. É um equipamento indispensável para se andar de bicicleta; deve ser visto como uma forma de proteção imprescindível para a segurança do ciclista, da qual ele nunca deverá abrir mão. Cabe aos pais educar os filhos para o compromisso de usá-lo.

O capacete deverá ser próprio para ciclista, de tamanho adequado, para que se adapte bem à cabeça (isto é, não deve ser apertado nem grande demais), colocado corretamente e ter adesivos refletores para facilitar a visualização do ciclista. Como os pais são exemplos para o filho, deverão, também, usar capacete ao andar de bicicleta.

Vera Lúcia Venancio Gaspar