Alergia a picadas de insetos - pesadelo do verão

Departamento Científico de Dermatologia

  • Como o calor favorece a multiplicação de insetos, neste período aumenta também o número de crianças com reações alérgicas às picadas de insetos. Afinal, com as altas temperaturas, as crianças brincam mais ao ar livre e com pouca roupa, ficando expostas. 

  • No momento da picada, o inseto injeta sua saliva na pele da criança. Se é alérgica, o local poderá ficar avermelhado e coçando muito. O efeito dura de sete a 10 dias. A coçadura abre pequenas feridas e deixa manchas brancas, que desaparecem em poucos meses. Em alguns casos, pode ocorrer infecção por bactérias, o que deixará uma ferida amarelada.

  • A alergia começa a se manifestar, geralmente, quando a criança tem entre 1 a 2 anos de idade. Nestas situações, a pele apresenta pequenas “bolinhas” que pioram nos períodos de calor. Em alguns casos a coceira pode incomodar até para dormir. Mas saiba que, ao longo do tempo, as lesões diminuirão e quando a criança chegar próximo dos 8 a 10 anos praticamente não terá mais reação alérgica.

  • Alguns pais pensam que o filho tem alergia a alimentos ou ao calor. Por isso, acabam retirando acesso a produtos que são importantes para o crescimento da criança. Não corra este risco. Procure um pediatra para verificar o que provocou as lesões de pele e receber as orientações de como prevenir e tratar esse problema. 

  • Há sinais e sintomas que podem ajudar a suspeitar de que você está diante de uma reação alérgica a picadas de insetos. A seguir, a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), por meio do seu Departamento de Dermatologia Pediátrica, apresenta alguns deles:

    1) As lesões ocorrem mais nos períodos quentes, quando aumenta a quantidade de insetos e a exposição externa;

    2) Surgem bolinhas avermelhadas nos braços e pernas, geralmente provocadas por pernilongos;

    3) É possível perceber bolinhas alinhadas, o que indica que a criança é um banquete para os insetos, que podem ser pulgas, ácaros, percevejos de colchões ou piolhos de aves.

    4) Podem ser encontradas bolinhas alinhadas próximas ao elástico da roupa íntima, provavelmente provocadas por pulgas.

  • Os pais e responsáveis poderão adotar alguns cuidados para que a criança seja menos castigada pelos insetos. Enumeramos alguns, a seguir:

    1) Coloque telas de proteção contra a insetos nas janelas ou feche-as antes das cinco da tarde, para que eles não entrem;

    2) Instale um mosquiteiro de tecido fino sobre a cama de seu filho;

    3) Quando a criança for brincar ao ar livre, vista-a com roupas finas, mas de mangas compridas e com punhos fechados para cobrir braços e pernas;

    4) Elimine os formigueiros do quintal ou, se isso não for possível, vista a criança com calçados fechados.

    5) Elimine as pulgas dos cães e gatos, pois elas também podem picar os seres humanos.

  • Se estiver diante de um caso desse tipo, faça o seguinte: mantenha o local das lesões limpo, lavando-o com água e sabonete. Não aplique substâncias caseiras. O melhor é procurar a ajuda de um pediatra, que indicará a medicação adequada para que a criança volte a ficar confortável. E um alerta: os repelentes podem ser tóxicos. Somente o médico especialista poderá indicar o que, quando e como usar.

Nossos Endereços

SBP-Sede • R. Santa Clara, 292 - Rio de Janeiro (RJ) - CEP: 22041-012 • 21 2548-1999 

FSBP • Alameda Jaú, 1742 – sala 51 - São Paulo (SP) - CEP: 01420-002 • 11 3068-8595 / 8618 / 8901 / 8675 • Fax: 3081-6892 

SBP-RS • R. Carlos Gomes, 328/305 - Porto Alegre (RS) - CEP: 90480-000 • 51 3328-9270 / 9520 

Memorial • Rua Cosme Velho, 381 - Cosme Velho (RJ) - CEP: 22241-125 • 21 2245-3110