Vacinação de crianças e de adolescentes contra a febre amarela requer cuidados

Os pais, cuidadores e pediatras devem estar preparados para a vacinação de crianças e adolescentes em áreas de risco para a febre amarela. É preciso estar atento aos riscos de efeitos adversos, aos critérios para receber o insumo e aos cuidados a serem observados no recebimento de doses fracionadas.

IDADE - O uso de doses fracionadas da vacina de febre amarela pode ser feito em crianças a partir de 2 anos de idade, desde que não apresentem condições clínicas especiais. Naquelas com idades inferiores a essa (a partir de 9 meses) recomenda-se aplicar a dose padrão. O mesmo vale para o caso de crianças que forem fazer uma viagem internacional, cujo destino seja um país que exija o Certificado Internacional de Vacinação para ingresso.

DOSAGEM - O cuidado recomendado pelos pediatras decorre do fato de que não há estudos do uso dessa dosagem para crianças menores de dois anos, gestantes e pessoas imunocomprometidas, que, portanto, deverão receber a dose padrão.

Para aumentar ainda mais a segurança de pacientes e familiares são destacados alguns pontos que devem ser observados na hora de receber a dose no posto de saúde. Confira!

INTERFERÊNCIA - Um dos itens que merecem atenção é o recebimento de diferentes vacinas ao mesmo tempo ou um no curto período. De acordo com os pediatras, para evitar interferência na proteção conferida pelas vacinas, a da febre amarela não deve ser administrada simultaneamente com a tríplice viral (contra sarampo, rubéola e caxumba) ou tetra viral (contra sarampo, rubéola, caxumba e varicela) em crianças menores de 2 anos de idade.

MEDICAÇÕES - Dentre outros grupos que não devem ser imunizados contra a febre amarela estão os das crianças com menos de seis meses de idade; e o das pessoas que fazem uso de medicações anti-metabólicas ou medicamentos modificadores do curso da doença (Infliximabe, Etanercepte, Golimumabe, Certolizumabe, Abatacept, Belimumabe, Ustequinumabe, Natalizumabe, Canaquinumabe, Tocilizumabe, Ritoximabe e outros terminados com MOMAB, XIMAB, ZUMAB ou UMAB). A regra também se aplica para os transplantados de órgãos sólidos e indivíduos com doença oncológica em quimioterapia e ou radioterapia.

LACTANTES - No caso de mulheres moradoras de área com transmissão ativa da febre amarela, que estiverem amamentando criança menor de 6 meses de idade, pode ser administrada uma dose fracionada. No entanto, o aleitamento materno deve ser suspenso por 10 dias após a vacinação. Não se recomenda a vacinação de mulheres nessas condições, residentes em áreas sem transmissão ativa da febre amarela.

Fonte: SBP (Sociedade Brasileira de Pediatria)



EVENTOS
Nossos Endereços



Endereço: Av. Portugal N˚ 1052, Setor Marista, 74150-030

Telefone: (62) 3251-5175

E-mail: contato@sociedadegoianadepediatria.com.br