carregando...

Atualização curricular para formação de residentes é discutida pela Sobape

Filiadas 23/01/2015
Fernando Barreiro: residência de três anos aumentará qualificação dos pediatras
Fernando Barreiro: residência de três anos aumentará qualificação dos pediatras

Melhorias na formação de pediatras, com a revisão do currículo e a nova residência de Pediatria de três anos, estiveram em pauta, no dia 16 de janeiro, durante o encontro promovido pela Sociedade Baiana de Pediatria (Sobape). No Bahia Othon Palace, em Ondina, o evento reuniu especialistas, preceptores, pediatras e residentes e contou com a presença do presidente da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), Eduardo Vaz.

O presidente da Sobape, Fernando Barreiro, destacou que a Bahia possui 12 centros de referência na formação de pediatras, que, a partir do próximo ano, devem começar a aderir à residência de três anos e ao novo currículo. “O que se busca é uma maior qualificação do pediatra para atender ainda melhor crianças e adolescentes”, afirmou.

Eduardo Vaz: currículo inclui novo conteúdo e atualização do antigo
Eduardo Vaz: currículo inclui novo conteúdo e atualização do antigo

Sobre o perfil do novo profissional, Eduardo Vaz esclareceu que “ele precisa ter conhecimento técnico sólido, com uma visão bastante ampla da medicina. O pediatra é o maestro de uma orquestra multidisciplinar, que rege o desenvolvimento da criança e responde aos anseios da família”.

Além da mudança de dois para três anos, dr. Vaz destaca que o currículo dos residentes passa por uma revisão completa com inserção de novos conteúdos e abordagem diferenciada dos assuntos já existentes. O novo programa foi elaborado pelo Global Pediatric Education Consortium (GPEC) – a aliança mundial que representa mais de 50 países e da qual a SBP participa.

A informação foi corroborada pelo Dr. Dioclécio Campos Júnior, representante da SBP no GPEC. Dr. Dioclécio discorreu sobre a origem e objetivos maiores do GPEC, apresentando a lógica do Curriculum Global, que é fundamentada nas competências, habilidades e atitudes a serem adquiridas pelo residente durante seu treinamento no novo programa.

A diretora de Ensino e Pesquisa, Sandra Grisi, ressaltou que o novo currículo proposto  pela SBP está sintonizado com o do GPEC para que seja a base de todos os programas de residência pediátrica no Brasil, ajustando-o às peculiaridades de cada região, aprovado pela Comissão Nacional de Residência Médica.

A vice-presidente da SBP e professora da Universidade Federal da Bahia (UFBA), Luciana Silva, destacou as iniciativas da entidade para defender a qualidade do ensino e preparo dos novos profissionais e a “importância dos preceptores como agentes de transformação e referência para uma nova geração de pediatras”.

No evento, a SBP distribuiu exemplares do livro Currículo Pediátrico Global, tradução do Currículo Global do GPEC, para que os participantes pudessem conhecer o conteúdo completo.

Experiência em Curitiba

Em implantação desde o ano passado no Hospital Pequeno Príncipe, em Curitiba, o novo programa curricular de residência registra sucesso tanto na formação dos pediatras como na melhoria do atendimento à população, como destaca o supervisor responsável, dr. Victor Horácio Júnior, acrescentando que a ampliação do tempo de residência aumentou a procura pela residência com média de 193 discentes disputando apenas 12 vagas.

Após as conferências, professores, preceptores e coordenadores de residências de Pediatria da capital e do interior baiano esclareceram dúvidas sobre a nova proposta de formação de residentes e apresentarem sugestões para as unidades.

Entre as propostas, foi defendido um sistema de cooperação entre as residências e envolvimento dos gestores públicos nas esferas municipal, estadual e federal para que sejam supridas as deficiências nas áreas de recursos e estrutura.

Leia também: Sobape realiza segunda edição do Prêmio Professor Nelson Barros.

 

Assessoria de Comunicação da Sociedade Baiana de Pediatria