Associe-se

Pediatras de planos de saúde suspendem o atendimento em Brasília

Eles querem o reajuste do valor pago pelas consultas e já está difícil conseguir atendimento para as crianças no Distrito Federal.

Giovana Teles Brasília

Clique e assista o vídeo!

Uma semana inteira de sufoco para as famílias que têm plano de saúde e precisaram de atendimento médico para as crianças. “Liguei cedo para cinco ou seis hospitais, ninguém estava atendendo o convênio dele”, conta a dona de casa, Maria de Fátima Lopes.

Mais da metade dos pediatras do Distrito Federal pediram o descredenciamento nos últimos dias e deixaram de atender, até agora, pacientes de 73 empresas.

A principal reivindicação é o aumento do valor das consultas nos pronto-socorros dos atuais R$ 24 para R$ 90 reais. Eles também querem receber pelas visitas para acompanhar as crianças internadas em hospitais. “Essas são reivindicações justas que nós, os pediatras, fazemos e não serão aceitos contratos que não vislumbrem essas solicitações”, afirma o Presidente da Sociedade de Pediatria do Distrito Federal, Dennis Burns. 

Em boa parte dos hospitais, os pediatras só atendem se os pais pagarem R$ 90. “Eu acho certo eles lutarem por isso, mas a gente também tem que ter uma contrapartida. Como que a gente vai fazer com os nossos filhos no atendimento? Não tem como fazer”, diz a esteticista, Lidiane Urbano de Souza.

“Eu acho que essa situação não tem que sobrar para o paciente que já paga caro. Essa situação tem que ser resolvida entre partes e o mais rápido possível”, acredita o gerente de venda, Luiz Sérgio da Silva.

O Ministério Público Federal recebeu várias reclamações de usuários de planos de saúde. Abriu uma investigação e defende que as empresas que deixarem os pacientes desassistidos sejam punidas. Mas essa decisão depende da ANS, a Agência Nacional de Saúde, que regula o setor.

“Os planos e seguros de saúde tem credenciado junto a ANS uma rede de atendimento. Essa rede não pode ser diminuída, é a obrigação que os planos e seguros de saúde tem com seu segurado. No momento em que parte dos profissionais deixam de atender, os planos e seguros de saúde são obrigados a oferecer uma alternativa viável. Se eles não fizerem isso eles podem vir a ser punidos”, afirma o procurador da República do Distrito Federal, Carlos Henrique Martins.

Nossos Endereços

SBP-Sede • R. Santa Clara, 292 - Rio de Janeiro (RJ) - CEP: 22041-012 • 21 2548-1999 

FSBP • Alameda Jaú, 1742 – sala 51 - São Paulo (SP) - CEP: 01420-002 • 11 3068-8595 / 8618 / 8901 / 8675 • Fax: 3081-6892 

SBP-RS • R. Carlos Gomes, 328/305 - Porto Alegre (RS) - CEP: 90480-000 • 51 3328-9270 / 9520 

Memorial • Rua Cosme Velho, 381 - Cosme Velho (RJ) - CEP: 22241-125 • 21 2245-3110