Pediatras: guardiões da saúde das crianças



Dra Luciana Rodrigues Silva

Presidente da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP)

Desde que a Pediatria passou a existir como campo de conhecimento e profissão, as crianças e os adolescentes têm estado no foco da atenção dos homens e mulheres que praticam a medicina. A história registra ao longo dos séculos a oferta de diagnósticos e tratamentos por médicos para povos de todas as idades, inclusive os mais jovens. No entanto, como especialidade médica a pediatria é um campo relativamente novo da medicina, tendo surgido a pouco mais de dois séculos.  

Criado em 1880, o termo “pediatria” tem origem na junção de duas palavras gregas: paidos (criança) e iatreia (processo de cura). Os primeiros centros médicos de atendimento especializados nessa população foram criados no século 19, na Europa.  

O pioneiro foi o Hôpital Des Enfants Malades (Hospital das Crianças Doenças, em francês), que abriu as portas em 1802. No Estados Unidos, a novidade aportou em 1855, na Filadélfia. Nesse período, destacaram-se nomes com dr George Frederic, médico inglês que escreveu Desordens e Doenças Comuns das Crianças, e dr Abraham Jacobi, alemão que emigrou para os EUA e é considerado o pai da pediatria em América.  

No Brasil, em 1910, alguns médicos se organizaram numa associação que deu origem à centenária Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), que, a partir de então, tem atuado como a representante máxima dos interesses da especialidade no País.  

Assim, os pediatras, ou como diriam os gregos “aqueles que curam as crianças”, têm ao longo da história do mundo e do Brasil desempenhado seu papel, com o máximo de zelo e rigor, nas diferentes faces da assistência: promoção de comportamento saudáveis, prevenção de doenças e diagnóstico e prescrição de tratamentos.  

No Brasil, após formação específica em Residências Médicas (que pode durar de dois a três anos) ou da aprovação em exame de títulos promovida pela SBP, o pediatra surge como o médico mais capacitado e qualificado para entender toda a complexidade e as nuances que envolvem as fases da vida de um indivíduo do nascimento até os 19 anos de idade.  

Os pediatras - e todos os profissionais que lidam com crianças e adolescentes - sentem prazer genuíno ao lidar com eles e suas famílias e buscam o desempenho de suas tarefas com competência, prazer, habilidade, segurança, paciência e empatia, contribuindo de fato para estes indivíduos.   

Desse modo, esses especialistas assistem seus pacientes e seus familiares com técnica e humanidade, respeitando suas características e peculiaridades, estimulando o autocuidado, a resiliência e a capacidade crítica para reflexão. Importante destacar que não fórmula única para o adequado acolhimento dessa população. Na consulta pediátrica, o médico muda de atitude, a depender da idade do paciente. Uma consulta de um recém-nascido é diferente da de um pré-escolar e da de um adolescente.  

Por isso, o pediatra precisa estar a par e conhecer os interesses e habilidades das diferentes faixas etárias. Para tanto, é necessário sensibilidade e dedicação para realizar a comunicação adequada com o paciente e seus familiares.  

Cabe ao pediatra responder pelo cuidado dos pacientes não só para tratar as doenças, mas também para preveni-los e orientá-lo na busca de práticas de vida saudável, como alimentação adequada, vacinações, atividade física, leitura e estímulo à autoestima e enfrentamento de dificuldades escolares, sociais e sexuais.   

Além dos cuidados com a saúde, os pediatras também têm papel fundamental no suporte ao aleitamento materno, na adesão às campanhas de vacinação, na prevenção de acidentes, na prevenção à obesidade e aos sintomas da violência, bem como na defesa de políticas e ações do governo com foco na população pediátrica.  

Atualmente, há cerca de 35 mil pediatras em atividade no Brasil. Quem é pai, mãe ou responsável por uma criança ou adolescente pode contar com o apoio de cada um deles para assegurar o desenvolvimento físico, mental e emocional das novas gerações.   

Toda criança e adolescente deve ter um pediatra que o conheça e o acompanhe nos seus processos de crescimento e desenvolvimento! É importante ouvir o que eles têm a dizer nas consultas, tirar com eles todas as dúvidas sobre o que se relaciona à saúde dos mais jovens e seguir suas recomendações.  

Por isso, esses pediatras – homens e mulheres – merecem todo o respeito e valorização por parte dos gestores e da população pelo que representam para o País, como agentes efetivos em defesa da vida e do bem-estar daqueles que serão responsáveis pelo futuro da Nação. 


Nossos Endereços

SBP-Sede • R. Santa Clara, 292 - Rio de Janeiro (RJ) - CEP: 22041-012 • 21 2548-1999 

FSBP • Alameda Jaú, 1742 – sala 51 - São Paulo (SP) - CEP: 01420-002 • 11 3068-8595 / 8618 / 8901 / 8675 • Fax: 3081-6892 

SBP-RS • R. Carlos Gomes, 328/305 - Porto Alegre (RS) - CEP: 90480-000 • 51 3328-9270 / 9520 

Memorial • Rua Cosme Velho, 381 - Cosme Velho (RJ) - CEP: 22241-125 • 21 2245-3110