carregando...
Academia Brasileira da Pediatria

Domingos Matos Pereira (1910-1986)

Domingos Matos PereiraDomingos Matos Pereira nasceu em Coroatá, no estado do Maranhão, em 15 de setembro de 1910. Formou-se na Faculdade de Medicina da Bahia, em 1938. Permaneceu em Salvador, por cerca de três anos, depois de formado, como estagiário do Hospital São Lucas. Em 1942 conseguiu um posto como médico do Pronto Socorro do Hospital Getúlio Vargas em Teresina, no Piauí. A partir do final da década de 1940 passou a trabalhar em São Luis, capital do estado do Maranhão, onde se tornou uma referência na organização dos serviços de atenção à criança e na formação de pediatras.

Em termos de assistência médica trabalhou como médico da “Escola Técnica do Estado do Maranhão”, foi pediatra da “Legião Brasileira de Assistência” e do “Instituto de Aposentadoria e Pensão dos Bancários” (IAPB). Além disso, dedicou parte de sua vida ao “Asilo de Mendicidade”, onde chegou a ocupar o cargo de diretor, na década de 60.

No âmbito do ensino de medicina, foi professor assistente da Cadeira de Pediatria da Universidade Federal do Maranhão, tendo sido, na década de 70, chefe de um dos departamentos da Faculdade de Medicina desta Universidade. Influiu na formação de dezenas de pediatras que hoje, reconhecem nele uma referência em sua formação profissional.

Em termos científicos, seu principal interesse concentrava-se nos estudos sobre a carência nutricional provocada, principalmente, por avitaminoses. Com isso, procurava conhecer as razões e condições de evolução dos distúrbios nutricionais prevalentes na criança que não recebia a mínima quantidade de vitaminas necessárias para viver uma vida saudável. Dedicou-se particularmente ao estudo das razões das avitaminoses A, C e D e seu respectivo tratamento. Preocupava-se ainda com as doenças infecciosas prevalentes que afetavam as crianças do Maranhão, como a esquistossomose, o sarampo, a difteria, a coqueluche e a varíola. Em todos os casos buscava, em seus artigos científicos, apresentar o diagnóstico e indicar a profilaxia e o tratamento. As verminoses também constaram de sua agenda científica.

Nos anos 60, o aleitamento materno era, ainda, objeto de controvérsia científica e encontrava fortes resistências e preconceitos na sociedade e na categoria médica. Enfrentando esta polêmica, publicou em 1961 um artigo onde apresentava as vantagens do leite humano na alimentação do recém-nascido.

Domingos Matos Pereira foi um pediatra preocupado com a miséria que dominava e assolava o nordeste e comprometia a saúde de suas crianças.

Com o passar do tempo, Domingos Matos Pereira tornou-se uma referência para a pediatria e os pediatras da região maranhense. A partir da década de 70, com pouco mais de sessenta anos de vida, foi responsável por cursos de atualização em pediatria em Natal, Salvador, São Luís, Belém e Fortaleza. Os temas abordados traduzem o amplo espectro de suas preocupações. Deu cursos de patologia renal e nefropatias, perinatologia e neonatologia, insuficiência respiratória, infecção urinária e educação médica.

Atuou como membro da Sociedade Brasileira de Pediatria e Puericultura do Maranhão e também da Sociedade de Medicina e Cirurgia do Maranhão. Foi homenageado, pela Academia Maranhense de Medicina tornando-se o Patrono de sua Cadeira número 13. Do Conselho Regional de Medicina do Maranhão recebeu, como homenagem, o certificado de Honra ao Mérito. Paralelamente a carreira médica, atuou como jornalista do “Jornal do Povo”, envolvendo-se também com o “Sindicato dos Jornalistas Profissionais de São Luiz”.

Domingos Matos Pereira Faleceu em 9 de setembro de 1986, pouco antes de completar 76 anos de idade.

Domingos Matos Pereira foi homenageado pela “Sociedade de Puericultura e Pediatria do Maranhão”, sendo indicado como patrono da Cadeira 19 da Academia Brasileira de Pediatria.