carregando...
Academia Brasileira da Pediatria

Mário Olinto de Oliveira (1898-1976)

Mário Olinto de OliveiraMário Olinto de Oliveira nasceu na cidade de Porto Alegre, em 19 de abril de1898. Ele era filho do médico pediatra Olympio Olinto de Oliveira.

A trajetória profissional Olympio Olinto de Oliveira pode ser dividida em dois tempos. Um, passado em Porto Alegre, assim que se formou (1887). Outro, vivido na cidade do Rio de Janeiro, capital da República, a partir da década de 1920. Nos dois casos, dedicou-se com obstinação e pioneirismo à formação de pediatras e à implementação de políticas públicas de proteção da criança. No Rio de Janeiro, participou com Fernandes Figueira da fundação da Sociedade Brasileira de Pediatria, em 1910.

A família Olinto compôs, com a linhagem Moncorvo e a Barbosa, as principais famílias médicas vinculadas à origem da pediatria brasileira. No primeiro caso, temos os gaúchos Olympio Olinto (1866/1956) e seu filho, Mario Olinto (1898/1976), que desenvolveram suas atividades, sobretudo, no Abrigo-Hospital Arthur Bernardes, junto com Fernandes Figueira. No segundo, os cariocas Carlos Artur Moncorvo de Figueiredo (1846/1901) e seu filho Moncorvo Filho (1871/1944), que concentraram sua ação na Policlínica Geral do Rio de Janeiro. No terceiro, encontramos Luiz Pedro Barbosa (1870/1949) e seu filho Luiz Torres Barbosa (1910/1986), de origem pernambucana, que atuaram na Policlínica de Botafogo e no Hospital dos Servidores do Estado, respectivamente. Todos inscreveram seu nome na história de pediatria nacional, por suas idéias e iniciativas em prol da criança e em defesa dos pediatras. Todos integraram ativamente a Sociedade Brasileira de Pediatria, chegando à sua presidência.

Mário Olinto de Oliveira, como Luiz Torres Barbosa e Moncorvo Filho, aprendeu a ser médico, observando o dia a dia de seu pai. A referência profissional paterna seguramente influenciou sua opção pela pediatria. Mário Olinto iniciou seu curso de medicina na Faculdade de Medicina de Porto Alegre, fundada por seu pai, concluindo-o na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, em 1920.

Como interno, atuou em assistência médica e pediátrica na Policlínica das Crianças, sob a direção do Professor Fernandes Figueira. Depois de formado continuou a trabalhar no mesmo local até 1926. Neste mesmo ano, foi convidado pelo próprio Fernandes Figueira, então inspetor de Higiene Infantil do Departamento Nacional de Saúde Pública, para chefiar a Enfermaria do Abrigo-Hospital Arthur Bernardes. Exerceu esta função por 17 anos ininterruptos. Em 1929, assumiu a direção do mesmo Hospital, seguindo determinação do Professor Clementino Fraga Filho – Diretor do Departamento Nacional de Saúde Pública. Mário Olinto permaneceu nesta função até 1947.

Durante sua gestão, Mario Olinto transformou o Abrigo-Hospital Arthur Bernardes no Instituto Nacional de Puericultura. Esta mudança institucional materializou seu desejo de construção de um centro de pesquisas voltado para os temas inerentes à maternidade e à infância. Foi neste instituto que Mário Olinto passou a promover, a partir de 1940, as célebres Reuniões das 4ª Feiras, com a presença dos mais ilustres pediatras nacionais e estrangeiros. O saber acumulado em anos de gestão e estudos das questões atinentes à criança e seu desenvolvimento, valeu-lhe a indicação, em 1945, pelo Ministro de Educação e Saúde, Professor Leitão da Cunha, para o cargo de Chefe de Pesquisa do Instituto Nacional de Puericultura. Sua relação de amizade e confiança com Getúlio Vargas, não deve ser negligenciada nesta análise. Mário Olinto era médico particular da família presidencial.

Além das atividades de gestão e assistência à criança, Mario Olinto desenvolveu sólida carreira acadêmica. Foi professor da Cadeira de Higiene da Criança do Instituto Oswaldo Cruz (1940- 1943). Quando esta disciplina passou para o Departamento Nacional de Saúde, continuou a lecioná-la até 1947. No mesmo período, ministrou o “Curso Elementar de Puericultura para Moças”, organizado por ele, em parceria com a Legião Brasileira de Assistência. Foi Catedrático de Pediatria e Higiene Infantil da Faculdade de Ciências Médicas do Rio de Janeiro (1950-1960). Na mesma época, foi professor do Curso de Formação de Puericultores do Departamento Nacional da Criança.

Dedicado inteiramente ao estudo e à prática da pediatria, Mário Olinto atuou intensamente na Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP). Assim que se formou, preencheu sua ficha de filiação. Três anos depois foi eleito tesoureiro da SBP, presidida por Fernandes Figueira. Com a morte de seu fundador, alternou a presidência da entidade com seu pai e com Luiz Pedro Barbosa (1928/1934). Continuou atuando na Sociedade durante as décadas de 1940 e 1950. Em 1956, participou do seleto corpo docente que ministrou o primeiro “Curso Nestlé de Atualização em Pediatria”, realizado no Rio de Janeiro.

Foi redator do Jornal de Pediatria durante muitos anos. Em 1958, defendeu a tese “Mortalidade Perinatal”, que lhe valeu a vaga de Membro Titular da Academia Nacional de Medicina. Além destas e outras importantes instituições acadêmicas, Mário Olinto foi Membro Efetivo da “American Academy of Pediatrics” e Membro da Primeira Diretoria Provisória da Associação Latino-Americana de Pediatria.

Por seu papel destacado no campo da formação pediátrica, na gestão de políticas públicas de proteção à criança e no associativismo médico e pediátrico, podemos afirmar que Mário Olinto de Oliveira foi um mentor da pediatria nacional, ou seja, uma pessoa que guiou, ensinou ou aconselhou gerações de pediatras. Um guia. Um mestre. Um conselheiro de pediatras e de brasileiros.

O Professor Mário Olinto de Oliveira faleceu em 27 de março de 1976.

Mário Olinto de Oliveira foi Presidente da Sociedade Brasileira de Pediatria em 1930 e 1934 e foi homenageado por ela, ao ser indicado Patrono da Cadeira 23 da Academia Brasileira de Pediatria.