carregando...
Academia Brasileira da Pediatria

Pedro Celiny Ramos Garcia (Titular)

Pediatra, Intensivista, Pesquisador e Professor Universitário

Membro da Academia Brasileira de Pediatria

Ocupa a cadeira no 7 – do Patrono Raul Moreira da Silva (1891-1969)

Pedro Celiny Ramos Garcia nasceu em 26 de agosto de 1949, em Porto Alegre, Rio Grande do Sul.  Filho de Pedro Celiny Simões Pires Garcia e Nilza Maria Ramos Garcia. Seu pai era policial da Brigada Militar do Rio Grande do Sul. Teve uma infância e adolescência feliz e errante pela fronteira do estado.

Estudou um pouco em cada colégio do Rio Grande. Morou em uma fazenda em Santa Maria, fez o curso primário na cidade do Alegrete e em Uruguaiana, o ginasial em Pelotas e estudou todo o curso Científico no tradicional Colégio Júlio de Castilhos de Porto Alegre. Como estudante secundarista em 1968 foi líder estudantil atuando nos movimentos de protestos contra a ditadura. Por esse motivo formou-se no Colégio Cruzeiro do Sul, pois foi expulso do “Julinho” por questões políticas no Grêmio Estudantil.

Ingressou na Faculdade de Medicina pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul em 1969, foi presidente da Associação da Turma Médica, tomou gosto pela pediatria e se formou médico em 1974.  Em 1973 casou-se com Jandira Tedesco Garcia e foram morar no Rio de Janeiro após a formatura, pois foi selecionado para residência de pediatria do Hospital dos Servidores do Estado (HSE). A pediatria do HSE era dirigida por um grande ícone da Pediatria Brasileira, o Dr. Luis Torres Barbosa.

Guarda desta época boas recordações do aprendeu com seus mestres, dos momentos agradáveis que passou com sua esposa, mesmo longe do restante da família, do Leme onde moraram e do convívio social e acadêmico com seu colegas cariocas e de todos os lugares do Brasil. Durante a residência, começou a se interessar por terapia intensiva pediátrica atuando na Unidade de Lactentes Críticos (CTIP) do Serviço de Pediatria, além de acompanhar a cirurgias cárdicas em crianças  na UTI geral do HSE.

Quando voltou para Porto Alegre em 1977 estava sendo aberto o Hospital São Lucas e a Faculdade de Medicina da PUCRS. Antonio Spolidoro, por indicação de Luiz Torres Barbosa o convida para trabalhar como professor de pediatria e organizar e chefiar a Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica (UTIP) inaugurada em 1978. Neste meio tempo, fez concurso e começou a trabalhar no Hospital Presidente Vargas, do antigo INPS – especializado em atendimento materno-infantil. Abriu, ainda, consultório privado onde trabalhava no final da tarde.

Em 1982, já com forte vínculo com a universidade e a UTIP decide que é hora de mudar. É aceito como Fellow na Unidade de Terapia Intensiva no Children’s Hospital Medical Center da Universidade de Harvard. Muda-se para Boston com sua esposa e seus dois filhos pequenos, Tatiana de 4 anos e João Pedro de oito meses. Foi um período rico de familiar, pessoal e científico. Volta dos Estados Unidos em 1984 e retornou suas atividades na Universidade e Terapia Intensiva Pediátrica.

Neste período, como que simultaneamente, foi se integrando à diretoria da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul (SPRS). Atuou também comitê de Terapia Intensiva da SPRS e no Departamento de Terapia Intensiva da SBP aonde chegou a ser presidente. No final da década de 1980, Pedro Celiny era um nome nacional na área de Terapia Intensiva Pediátrica, autor de livro consagrado e diversos artigos científicos publicados. Nesta época foi eleito presidente da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul. No inicio de sua gestão a SPRS possuía uma mesa emprestada na AMRlGS, algumas horas compartidas de secretária e nenhum bem. No final de em 1991 compra a primeira sede própria as SPRS. Como presidente da SPRS engajou-se nos movimentos regionais e nacionais de defesa profissional, estimulou seu crescimento científico e sua participação na defesa dos direitos da criança de uma forma mais direta e ativa. Em 1991 na qualidade de presidente da SPRS e vice-presidente da SBP, preside o 27º Congresso Brasileiro de Pediatria em Porto Alegre.

No período de 1992/1993 foi eleito Presidente da Sociedade Brasileira de Pediatria. O princípio descentralizador foi, efetivamente, implantado em sua gestão. Para tanto, transformou o Conselho Superior da Sociedade Brasileira de Pediatria, em um órgão deliberativo onde passaram a serem discutidas e decididas todas as questões pertinentes à SBP, como o ensino de pediatria, a luta por uma determinada alteração no Congresso Nacional ou a campanha pelo Hospital Amigo da Criança. Liderou a campanha que culminou com a obrigatoriedade do “Pediatra na Sala de Parto”, uma grande conquista da pediatria brasileira. A revitalização do ‘Jornal de Pediatria’ também foi sua prioridade, iniciando uma série de alterações que culminaram com sua indexação. Constrói e inaugura no final da sua gestão a nova sede da Sociedade Brasileira de Pediatria na Rua Santa Clara no Rio de Janeiro.

Com fim de seu mandato, Celiny decidiu investir, ainda mais, em sua carreira acadêmica. Abandonou a clínica privada, fez Mestrado na PUC/RS e depois Doutorado em Pediatria na USP. Hoje é professor em tempo integral, do curso de pós-graduação em Pediatria (mestrado e Doutorado) e da Faculdade de Medicina na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande Sul (PUCRS).  Associado a Jefferson Piva, colega e companheiro na SPRS, SBP, nas edições do livro Medicina Intensiva em Pediatria e no dia a dia da UTIP da PUC, criam o Grupo de Pesquisa – Pediatria Intensiva e Emergência no Curso de Pós Graduação em Pediatria onde orientam alunos iniciação científica, mestrado e doutorado. Para se ter uma idéia de sua produtividade basta citar que em seu currículo Lattes (http://lattes.cnpq.br/0761993714239641) constam 112 artigos publicados em periódicos, 53 livros e capítulos publicados, 114 Comunicações em anais de congressos e 44 participação em banca de trabalhos de conclusão (mestrado e doutorado).

Pedro Celiny nunca se afastou das atividades associativas, participou na SBP como Diretor para o Mercosul por duas gestões. Foi presidente da Sociedade Latino Americana de Cuidados Intensivos Pediátricos (SLACIP), em 2004 presidiu o Congresso Latino-americano e Brasileiro de Terapia Intensiva Pediátrica realizado em Porto Alegre.

Atualmente é membro no departamento nacional e do comitê regional de Terapia Intensiva em Pediatria, participando ativamente dos congressos nacionais e internacionais da sua especialidade. Permanece como assíduo colaborador do Jornal de Pediatria. Dedica-se a chefia da UTIP, passa visita diária nos pacientes, ministra aulas na graduação e pós-graduação e revê seus projetos de pesquisa com seus orientandos. Neste ano de 2008 quando completa 59 anos, reserva seus fins de semana para a companhia de sua esposa, seus filhos formados em medicina e seus neto de quatro anos, reunindo a família e os amigos para um churrasco na sua casa em Porto Alegre, curtir um pouco do frio em Gramado na serra gaúcha ou uns dias mais quentes em Garopaba em Santa Catarina.