carregando...
Academia Brasileira da Pediatria

Pedro de Alcântara Marcondes Machado (1901-1979)

Pedro de Alcântara Marcondes MachadoPedro de Alcântara Marcondes Machado nasceu em 1º de maio de 1901, na capital paulista. Sua formação elementar foi feita no Colégio Alemão Santo Adalberto e no Ginásio do Estado da Capital. Concluiu em 1924 seu curso médico na Faculdade de Medicina e Cirurgia de São Paulo, com a Tese “Ensaio de moral sexual”, especializando-se em Higiene.

Sua vocação para o magistério manifestou-se logo. Em 1927, foi aprovado em concurso e começou a trabalhar no mesmo Ginásio em que havia estudado. Lá, começou lecionando “Instrução Moral e Cívica”. No mesmo ano, iniciou sua carreira de pediatra como Assistente Voluntário no Pavilhão Condessa Penteado, da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, que sediava a Clínica Pediátrica da Faculdade de Medicina de São Paulo, onde teve a possibilidade de conviver profissionalmente com alguns dos expoentes da medicina paulista.

Em 1933 transferiu-se do Ginásio do Estado para o Instituto de Higiene, onde passou a lecionar a cadeira de “Higiene da Primeira Infância” para educadoras sanitárias. Em 1945, conseguiu transformar esta cadeira na Cátedra de Puericultura da, então, Faculdade de Higiene Pública de São Paulo. Foi um dos fundadores, em 1933, da Escola Paulista de Medicina, hoje incorporada à Universidade Federal de São Paulo. Durante 10 anos pertenceu ao seu Conselho Técnico e Administrativo. Em 1934 defendeu Tese de Docência-Livre na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro e no ano seguinte na de São Paulo. Em 1946, ingressou na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, concorrendo à “Cátedra de Clínica Pediátrica e Higiene da Primeira Infância”, apresentando a Tese “Contribuição para o estudo da proteção da criança contra os agravos psíquicos”. Seu trabalho foi considerado pioneiro para o entendimento do desenvolvimento emocional da criança.

Em uma certa época foi Catedrático de duas Escolas Médicas e uma de Saúde Pública. Percebendo que seu trabalho não rendia tanto quanto desejava, foi abrindo mão desta sobrecarga de trabalho em diferentes instituições. Afastou-se inicialmente da Faculdade de Higiene Pública de São Paulo (1950), depois da Escola Paulista de Medicina (1957) e finalmente aposentou-se na Universidade de São Paulo (1964). De qualquer forma, lecionou em cada uma destas instituições por mais de 20 anos. Ele formou gerações de pediatras de São Paulo.

Trabalhou ainda na Escola de Enfermagem do Hospital São Paulo e na Escola de Serviço Social de São Paulo.

Realçou os vínculos existentes entre a saúde da criança e a situação sócio econômica da população. Dedicou-se, em sua trajetória, a estudos sobre o tema, destacando aqueles referentes à mortalidade infantil. Neste caso, atentou para a necessidade de registro mais fiel dos eventos, para uma avaliação mais precisa do problema. No seu entender, a mortalidade infantil estava relacionada a causas sociais que envolvem pobreza, desnutrição, desinformação e carência de atendimento médico, principalmente em lugares mais distantes da capital. Apesar de considerar a dimensão social da mortalidade infantil, não deixava de valorizar o trabalho realizado nos Postos de Puericultura. Defendia com afinco sua atuação, apesar de manifestar sua preocupação com a manutenção dos serviços, por falta de financiamento específico. Acerca de temas relacionados à mortalidade infantil publicou vários trabalhos, inclusive um texto célebre intitulado – “Mortalidade Infantil: causas e remédios de ordem sanitária”. Cabe lembrar que estas idéias eram objeto de intensa controvérsia no momento em que ele as defendeu.

Atuou na Sociedade Brasileira de Pediatria, sendo Presidente da entidade em 1954, além de participar da Sociedade Paulista de Pediatria sendo homenageado com a Medalha de Honra da Sociedade em 1975.

Além da medicina, dedicou sua atenção à pintura e às artes. Foi membro do Conselho Administrativo do Museu de Arte Contemporânea de São Paulo e fez conferências e palestras em eventos ligados a arte.

Azarias de Andrade Carvalho, referindo-se a Pedro de Alcântara, disse que “suas idéias, divulgadas por diversos meios de comunicação e também por seus discípulos e discípulos de seus discípulos, que ocupam numerosas chefias de pediatria no Estado de São Paulo e no Brasil, influíram de maneira marcante, em toda a pediatria nacional”.

Pedro de Alcântara faleceu em 18 de maio de 1979.

Pedro de Alcântara Marcondes Machado foi Presidente da Sociedade Brasileira de Pediatria em 1954 e foi homenageado por ela, ao ser indicado Patrono da Cadeira 10 da Academia Brasileira de Pediatria.