carregando...

Amamentação depende apenas da fome do bebê

Saiu na imprensa 29/03/2012

VIVA MAIS

Não há contraindicações sobre local e posição da mãe ao dar de mamar, dizem médicos

Caroline Figueiredo amamentou filho em shopping Foto: Clayton Militão – Photo RioNews

 

Danielle Abreu
dabreu@extra.inf.br

 

 

29/03/2012 – A atriz Carolinie Figueiredo esteve com a filha Bruna Luz, de 4 meses, num shopping na Zona Oeste do Rio, na última terça-feira. Enquanto andava, Carolinie amamentava a pequena no colo. O passeio das duas trouxe à tona uma velha dúvida das mães de primeira viagem: afinal, é necessário um local especial e calmo para amamentar? Os médicos respondem:

— Se a criança está com fome, tem que amamentar. Se a mãe está confortável e o bebê também, o local não faz diferença. Não há contraindicação clínica. Agora, se há um local próximo mais calmo, mais tranquilo, é melhor — afirmou Luciano Santiago, presidente do Departamento de Aleitamento Materno da Sociedade Brasileira de Pediadria (SBP).

A médica Ana Paula Joras Jundi, pediatra neonatalogista da Clínica Samci, lembra que a posição da criança na hora da amamentação deve ser conferida.

— Não importa onde se esteja, é preciso ter certeza de que a posição está correta. Ou seja, barriga da mãe encostada na barriga do filho e boca da criança na aréola do peito e não somente no bico. O ideal é sentar e curtir o momento. Mas não há contraindicações — afirmou a pediatra.

Pelo Twitter, a atriz defendeu a amamentação em público. “Amamentar é a melhor opção do mundo, pra mim e pra BL. Não tenho nenhum constrangimento em amamentar em qualquer lugar”, escreveu no microblog.

Outras dicas

Primeira: A primeira mamada deve ser ainda na sala de parto, na primeira hora de vida, segundo orientação da Sociedade Brasileira de Pediatria (www.conversandocomopediatra.com.br).

Posição: O bebê deve estar de frente para a mãe, com a boca bem aberta para abocanhar o mamilo e a parte da aréola.

Apoio: O pós-parto pode trazer tristeza e cansaço à mulher, deixando-a insegura em relação a sua própria amamentação. O apoio e o incentivo do pai são essenciais para que a mãe se reestruture, se reorganize e se sinta capaz de amamentar.

Insegurança: Se estiver com receio ou sentindo-se insegura sobre a amamentação , a gestante pode procurar fazer um curso de aleitamento materno que geralmente é oferecido na unidades de saúde.

Assessoria de Comunicação da SBP
Tel: 55 21 2256-6856
55 21 2548-1999 r/ 33 e 48
Fax:55 21 2547-3567
imprensa@sbp.com.br