carregando...

DC de Adolescência da SBP alerta os pais como prevenir que seus filhos estejam expostos aos jogos que estimulam a violência

SBP em Ação 30/05/2017

canstockphoto18364299

A secretária do Departamento Científico de Adolescência da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), dra. Evelyn Einseinstein, em participação no programa CBN Entrevista, da Rádio CBN Vitória (ES), orientou pais e professores sobre a importância do diálogo com crianças e adolescentes para evitar a exposição às comunidades ou “jogos” em ambientes virtuais, como sites, redes sociais e grupos de WhatsApp, que estimulam a prática do suicídio, da automutilação e da participação de alto risco, entre outros problemas.

De acordo com a dra. Evelyn, é preciso que não somente os pais, mas os pediatras, a imprensa e a sociedade como um todo, tratem o tema com a devida importância. “A SBP quer uma maior participação dos pais na vida de seus filhos. Os pais precisam saber o que seus filhos estão jogando. Existem jogos que tratam de desafios perigosos incitando crianças, mas principalmente os adolescentes, à automutilação, cortes no próprio corpo ou mesmo gestos suicidas. Temos visto isso se disseminar frequentemente pelas redes sociais. É importante os pais estarem atentos e alertas sobre isso. A violência gera a violência”, orienta.

Segundo a dra. Evelyn, as crianças não têm distinção do que é real e virtual. Para ela, a internet jê um meio sem controle e as crianças tendem a trazer para a vida real o que é ensinado por meio das telas dos computadores, tablets e smartphones. Na entrevista, a dra. Evelyn também afirmou que os professores precisam estar preparados para fazer a interação entre as crianças e o uso dos computadores nas escolas. Ela indicou o Manual Saúde de Crianças e a Adolescentes na Era Digital, lançado em novembro passado pela SBP, como um documento de referência para tratar o tema.

A entrevista durou cerca de 21 minutos e contou com a participação dos ouvintes da Rádio CBN Vitória no debate, que fizeram perguntas e esclareceram dúvidas sobre como conduzir o comportamento dos filhos diante do uso das tecnologias para evitar a superexposição nos ambientes virtuais.

CLIQUE AQUI E OUÇA A ENTREVISTA NA ÍNTEGRA.