carregando...

Representantes da SBP participam de reunião do GPEC em Barcelona para discutir sobre o novo currículo global

SBP em Ação 16/09/2016
gpec2016_1
Drs. Ricardo Barros e Nélson Rosário durante a 7ª reunião do GPEC, em Barcelona, na Espanha

 

A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) está acompanhando de perto as discussões internacionais que analisam a uniformização dos currículos de pediatria em todo o mundo. Este projeto, que já vem acontecendo desde 2008, com a adesão de países como o Brasil, Argentina, Bolívia, Chile, Paraguai e Uruguai, que juntos formam o Fórum das Sociedades de Pediatria do Cone Sul (Fospecs), foi abordado na 7ª reunião do Global Pediatric Education Consortium (GPEC), realizada em Barcelona, na Espanha.

gpec2016_2No encontro, ocorrido em agosto, estiveram presentes o representante da SBP no Global Pediatric Education Consortium, dr. Ricardo Barros, juntamente com o diretor de Relações Internacionais da entidade, dr. Nélson Rosário. De acordo com Barros, “a China e o Japão já estão integrando o currículo global à residência pediátrica e iniciaram comparações sobre os diferentes métodos de aprendizado dos pediatras em seus hospitais de ensino”.  

LIDERANÇA – De acordo com o dr. Ricardo, o GEPEC não é uma sociedade nacional pediátrica. Sendo assim, a SBP entende que os participantes devam ser Sociedades Nacionais com representantes indicados pelas diretorias eleitas.

“Esse tema foi discutido na reunião visando, principalmente, que as Sociedades Nacionais importantes como a Academia Americana de Pediatria (AAP), Academia Europeia de Pediatria (EAP) e International Pediatric Association (IPA) façam de novo parte do grupo de estudos, o que certamente conferiria grande credibilidade ao GPEC e seria também um selo de qualidade do material desenvolvido nesses anos”, expôs o dr. Ricardo Barros.

Na reunião foi abordada a questão das dificuldades de adesão dos serviços ao GEPEC. Atualmente, o novo currículo já está em funcionamento em 20 serviços no Brasil. “Sugerimos que além das Sociedades Médicas, o GEPEC deveria ser apresentado à comunidade acadêmica envolvida diretamente no treinamento dos residentes, pois muitos centros universitários não conhecem as propostas do GPEC”, frisou o dr. Nélson Rosário.

STAND BY – Segundo o dr. Ricardo Barros, a SBP irá aguardar que a diretoria-executiva do GPEC consiga realizar a aproximação com grandes entidades da pediatria mundial (Sociedades Nacionais) a fim de implementar cursos de treinamento para professores sobre o novo modelo de formação em conjunto com as demais sociedades. “Ainda é uma fase inicial a implantação do GPEC, que está sujeita a reavaliações e correções no futuro próximo. Por enquanto, tivemos apenas dois ciclos de avaliação dos residentes e esses dados estatísticos não nos permitem ainda validar ou não o GPEC”, ressalta o atual representante da SBP no GEPEC.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) e a Organização das Nações Unidas (ONU) aspiram ter uma força de trabalho sobre as Metas de Desenvolvimento Sustentável (SDG), com o comprometimento da comunidade acadêmica pediátrica global, instituições de ensino e treinamento dirigidas para a saúde global da criança. “Essa aliança poderia ser chamada de Global Pediatric Academic Alliance (GPAA), que procuraria fortalecer e harmonizar o treinamento sobre o Desenvolvimento Sustentável”, comenta o dr. Nélson Rosário.

Veja a proposta da SBP para a residência em pediatria em três anos