Roberto Gomes Chaves*, Joel Alves Lamounier**

* Mestre em Ciências da Saúde / Saúde da criança e do adolescente pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Professor auxiliar de farmacologia, Faculdade de Fisioterapia, Universidade de Itaúna, MG.
** Doutor em Saúde Pública pela UCLA/Los Angeles. Professor adjunto, Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

O aleitamento materno está associado a benefícios de ordem nutricional, imunológica, afetiva, econômica e social. Por isso, torna-se fundamental a identificação dos fatores que levam ao desmame precoce, a fim de proporcionar o maior tempo possível de aleitamento às crianças.

Diversos estudos comprovam que, dentre os fatores responsáveis pelo abandono precoce da amamentação, encontra-se o uso de medicamentos pelas nutrizes. Tal fato tem sido atribuído à carência de informações sobre a segurança de várias drogas para uso durante a lactação, ao desconhecimento dos profissionais de saúde acerca do tema e às informações não científicas contidas nas bulas dos medicamentos. Além disso, publicações muitas vezes conflitantes dificultam a tomada de decisão pelo profissional de saúde.

No intuito de orientar os profissionais de saúde sobre o uso de medicamentos durante a lactação vários estudos são publicados. A literatura mais completa e recente foi publicada em 2004 por Thomas Hale no livro Medications and Mothers` Milk. Neste livro o autor classifica as drogas conforme sua segurança nos seguintes grupos: drogas mais seguras, drogas seguras, drogas moderadamente seguras, drogas potencialmente perigosas e drogas contra-indicadas para uso durante a lactação.

As Tabelas 1 a 4 especificam as drogas adaptadas da classificação de Thomas Hale. Por fins práticos optamos por unificar os grupos das drogas mais seguras e seguras. A não inclusão de algumas drogas nas tabelas não significa que elas não sejam encontradas no leite materno ou que não possam produzir efeitos no lactente; apenas indica que, até a publicação do livro não haviam sido encontradas referências das mesmas na literatura.


Tabela 1 – Drogas seguras durante a amamentação

* após o pós-parto imediato
** períodos curtos
*** após 1 mês de vida


Tabela 2 – Drogas moderadamente seguras durante a amamentação

* Uso durante período neonatal


Tabela 3 – Drogas possivelmente perigosas durante a amamentação

* Uso crônico
** Uso no período neonatal
*** Uso em altas doses
****Uso no mamilo


Tabela 4 – Drogas contra-indicadas durante a amamentação


A Tabela 5 contém, resumidamente, algumas considerações e recomendações atualizadas sobre uso de fármacos durante a lactação, baseada em diversos estudos recentes acerca do tema. São descritas as principais classes de medicamentos, ressaltando os mais indicados e aqueles que devem ser evitados ou usados com cuidado durante a amamentação.

Tabela 5 - Recomendações sobre uso de fármacos durante a amamentação



* Usar por períodos curtos. Observar sonolência
† Permitido uso em doses baixas (100mg/dia)
‡ Evitar uso no pós-parto imediato
§ Risco de alteração da flora intestinal e hipersensibilização
|| Evitar em crianças com hiperbilirrubinemia e deficiência de desidrogenase glicose-6-fosfato
Monitorizar lactente para icterícia
** Uso somente após 6 semanas do parto


Implantes mamários de silicone

Em virtude do uso cada vez mais freqüente de implante de próteses de silicone para aumento ou correção de mama, algumas informações podem ser úteis. Segundo a literatura, o silicone utilizado para aumento do volume das mamas foi implantado em cerca de um milhão de mulheres norte-americanas até o ano de 2001. No entanto, apenas um estudo relatou disfunção esofagiana em 11 crianças amamentadas cujas mães receberam implantes. Outros estudos não confirmam esses achados. Assim, a AAP classifica o implante de silicone como compatível com a amamentação.

Fármacos que alteram o volume do leite materno

Existem medicamentos que podem alterar o volume do leite materno, no sentido de aumentar ou diminuir sua produção. Fármacos com efeito potencial de aumentar o volume de leite pela nutriz são chamados galactogogos. Não há evidências de que esses agentes estimulem a produção de leite em mulheres com níveis elevados de prolactina ou com tecido mamário inadequado à lactação. Contudo, em muitas mães de crianças pré-termo elas são eficientes. Apesar de numerosos fármacos apresentarem efeito potencial para aumentar o volume de leite ou induzir a lactação (TAB.6), na prática clínica são utilizadas apenas a metoclopramida e a domperidona. É importante ressaltar que os estímulos mais valiosos para o aumento do volume de leite materno são a sucção do complexo aréolo-mamilar pelo lactente e a ordenha das mamas.

Vários são as drogas com relato de supressão da produção láctea. A maioria destas drogas age como antagonistas dopaminérgicos, suprimindo a liberação de prolactina. A tabela 6 mostra as drogas desse grupo. Devido ao crescimento do lactente estar diretamente relacionado à produção e ingestão do leite materno, o uso de qualquer uma dessas drogas pode representar risco potencial de déficit ponderal, principalmente durante o puerpério imediato, época mais sensível para a supressão da lactação. Deve-se, portanto, retardar ao máximo a sua introdução.


Tabela 6 – Drogas que podem alterar o volume de leite materno



Princípios para uso de drogas durante a lactação

Alguns aspectos práticos para tomada de decisões na prescrição de drogas às mães durante a lactação são os seguintes:

- Avaliar necessidade da terapia medicamentosa. Neste caso, a consulta entre o pediatra e o obstetra ou clínico é muito útil. A droga prescrita deve ter um benefício reconhecido na condição para a qual está sendo indicada.

- Preferir drogas já estudadas e sabidamente seguras para a criança, que sejam pouco excretadas no leite materno. Por exemplo, prescrever paracetamol em vez de ácido acetilsalicílico, penicilinas em vez de quinolonas.

- Preferir drogas que já são liberadas para uso em recém-nascidos e lactentes.

- Preferir terapia tópica ou local, à oral e parenteral, quando possível e indicado.

- Preferir medicamentos com monodroga, evitando combinações de fármacos. Exemplo: usar somente paracetamol ao invés de apresentações contendo paracetamol, AAS e cafeína.

- Escolher medicamentos que passam minimamente para o leite. Por exemplo, os antidepressivos sertralina e paroxetina possuem níveis lácteos bem mais baixos que a fluoxetina.

- Escolher medicamentos pouco permeáveis à barreira hematoencefálica porque eles, em geral, atingem níveis pouco elevados no leite.

- Escolher medicamentos com elevado peso molecular, pois essa característica reduz a transferência para o leite. Por exemplo, heparina.

- Programar o horário de administração da droga à mãe, evitando que o período de concentração máxima do medicamento no sangue e no leite materno coincida com o horário da amamentação. Em geral, a exposição do lactente à droga pode ser diminuída se a mesma for utilizada pela mãe imediatamente antes ou após a amamentação.

- Considerar a possibilidade de dosar a droga na corrente sangüínea do lactente quando houver risco para a criança, como nos tratamentos maternos prolongados, a exemplo do uso de antiepiléticos.

- Orientar a mãe para observar a criança com relação aos possíveis efeitos colaterais, tais como alteração do padrão alimentar, hábitos de sono, agitação, tônus muscular e distúrbios gastrintestinais.

- Evitar drogas de ação prolongada pela maior dificuldade de serem excretadas pelo lactente. Exemplo: preferir midazolam ao invés de diazepam.

- Orientar a mãe para retirar o seu leite com antecedência e estocar em congelador (por no máximo 15 dias) para alimentar o bebê no caso de interrupção temporária da amamentação e sugerir ordenhas periódicas para manter a lactação.

- A indicação criteriosa do tratamento materno e a seleção cuidadosa dos medicamentos geralmente permitem que a amamentação continue sem interrupção e com segurança.

Considerações finais

O princípio fundamental da prescrição de medicamentos para mães em lactação baseia-se principalmente no conceito de risco e benefício. As vantagens do aleitamento materno para a criança são enormes, enquanto os riscos da grande maioria dos medicamentos são mínimos, sendo a maioria das informações sobre drogas na lactação baseada em doses fixas e em estudos de curta duração. A amamentação ao seio somente deverá ser interrompida ou desencorajada se existir evidência substancial de que a droga usada pela mãe poderá ser nociva para a criança, ou quando não houver informações a respeito e a droga não puder ser substituída por outra que seja inócua para o bebê.

PATROCINADORES




Associados ASSOCIADOS

Acesse sua conta através de seu e-mail e senha.




INÍCIO|INSTITUIÇAO|CONGRESSOS & OUTROS EVENTOS|FALE CONOSCO

   
© Copyright 2010, SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA

SBP - Sede
R. Santa Clara, 292 
Rio de Janeiro - RJ 
CEP:22041-012  
Fone: 21-2548-1999
Fax: 21-2547-3567

FSBP
R. Augusta, 1939/53 
Sao Paulo - SP   
CEP:01413-000
Fone: 11-3068-8618 / 8901 /
8675 / 8595
Fax: 3081-6892

SBP - RS
R. Carlos Gomes, 328/305 
Porto Alegre - RS   
CEP:90480-000
Fone: 51-3328-9270 / 9520

SBP - MG
Padre Rolim, 123/301 
Belo Horizonte - MG 
CEP:30130-090
Fone: 31-3241-1128 / 1422

SBP - DF
SRTN 702 Conj. P 2106 a 2108
Brasília - DF
CEP: 70719-900
Fone: 61-3327-4927 / 3326-5926