A FR é a doença reumática mais comum em crianças na idade escolar e adolescentes. Ocorre como complicação de infecção de garganta causada pelo estreptococo beta- hemolítico do grupo A. A FR pode afetar várias partes do corpo como articulações, coração, sistema nervoso e pele.


Ainda não se sabe exatamente porque apenas algumas pessoas desenvolvem essa complicação, mas sabe-se que elas já nascem com uma predisposição genética para a doença.


QUAIS SÃO OS SINTOMAS DA FEBRE REUMÁTICA?

Artrite

É a manifestação mais comum da FR, caracterizada por uma inflamação das juntas, bastante dolorosa, com inchaço e vermelhidão. Ocorre uma a três semanas após a infecção pelo estreptococo. Não deixa sequelas e melhora com o tratamento, que é a base de um antiinflamatório (ácido acetilsalicílico).


Cardite

É a complicação mais temida porque pode deixar seqüelas, sendo uma das principais causas de cirurgia cardíaca no Brasil. Trata-se de uma inflamação em uma ou mais válvulas do coração e que é diagnosticada pela presença de sopro. A lesão pode ser leve ou grave, com insuficiência cardíaca. Além de ouvir o sopro, o médico completará a avaliação com exames como o ecocar-diograma e o eletrocardiograma. Ocorre mais ou menos 1 semana a 3 meses após a infecção de orofaringe. O tratamento consiste em repouso e uso de um antiinflamatório bastante potente chamado corticosteróide.


Coréia

É a presença de movimentos involuntários, desordenados, mais evidentes em extremidades (braços e pernas) e no rosto. Esses movimentos, geralmente aumentam com as tensões emocionais e cessam com o repouso. Pode alterar o comportamento (fica mais sensível emocionalmente), a fala e a escrita. A presença da coréia isoladamente permite o diagnóstico de FR, porque ela ocorre mais tardiamente, depois de um a seis meses após a infecção estreptocócica.


Nódulos subcutâneos

São pouco comuns e geralmente estão associados a cardite. Caracterizam-se por nódulos duros, móveis, indolores localizados na pele.




Eritema marginado

São lesões avermelhadas em tronco e membros que aparecem e desaparecem sem motivo. Este tipo de alteração cutânea está quase sempre associado a cardite.


COMO POSSO TER CERTEZA QUE MEU FILHO TEM FEBRE REUMÁTICA?

Para saber se um paciente tem Febre Reumática, o médico se baseia :

- na história que os pais contam
- nas alterações encontradas no exame físico
- nos resultados de alguns exames

Alguns desses dados são importantíssimos para o diagnóstico e foram denominados de Critérios de Jones. Esses se dividem em sinais maiores, sinais menores e evidência de amigdalite prévia.

O diagnóstico só é possível quando houver a presença de:

- dois sinais maiores ou,
- um sinal maior e dois menores
- além da evidência de infecção estreptocócica anterior.


CRITÉRIOS DE JONES



COMO É O TRATAMENTO DA FEBRE REUMÁTICA?

Uma vez confirmado o diagnóstico de Febre Reumática, é necessário que seja feito uma dose de penicilina benzatina (600.000 a 1200.000 unidades) intra-muscular para erradicar o estreptococo do organismo. Além disso, é preciso tratar a artrite, a cardite ou a coréia com os medicamentos adequados para cada situação, e conforme a gravidade do caso a criança precisa ser internada, principalmente nos casos de cardite grave.

A partir daí se inicia a profilaxia secundária com penicilina benzatina a cada 21 dias, para evitar que a criança quando em contato novamente com o estreptococo venha a apresentar uma recaída.


O QUE ACONTECE SE EU PARAR DE TOMAR A MEDICAÇÃO A CADA 21 DIAS?

Na criança que é portadora de febre reumática, a falha ou o esquecimento da medicação a cada 21 dias pode trazer consequências graves, pois se ela entra em contato com outra criança ou adulto com infecção de orofaringe, ela não somente será reinfectada na orofaringe, como poderá desenvolver novamente as complicações da FR, sendo a recorrência de cardite cada vez mais grave, necessitando de tratamentos mais rigorosos, inclusive cirurgia cardíaca, deixando sequelas no coração para toda a vida ou mesmo diminuindo a média de vida.


ATÉ QUANDO DEVERÁ SER DADO ESSA MEDICAÇÃO?

O tempo será determinado pelo seu médico que levará em conta se houve acometimento do coração ou não. Nos casos em que só há artrite, a medicação poderá ser usada até 18 anos ou 5 anos após o diagnóstico se maior de 13 anos. Se tiver ocorrido cardite a medicação deverá ser para toda a vida.

Por isso é importante que você não falhe nem esqueça de tomar a medicação, principalmente para proteger o seu coração.


E SE A CRIANÇA FOR ALÉRGICA A PENICILINA?

A alergia a penicilina é rara. Entretanto, se a criança for alérgica, existem outras opções que serão apresentadas pelo seu médico e que também deverão ser seguidas rigorosamente para evitar complicações cada vez mais graves.


O QUE FAZER PARA EVITAR ESTA DOENÇA?

Como não podemos saber quem tem predisposição para desenvolver as complicações da infecção de orofaringe por esta bactéria, a recomendação é que em qualquer infecção de garganta em crianças e adolescentes, o médico seja consultado para avaliar a necessidade ou não de tratamento com antibióticos. Só o médico saberá diferenciar cada situação.

Na criança que já tem o diagnóstico de Febre Reumática, a única maneira de evitar complicações mais graves no coração é não deixar de tomar as injeções de penicilina nas datas certas.




Erica Naomi Naka

Mestre em Ciências da Saúde pelo convênio Centro-Oeste com a Universidade de Brasília (Unb) e Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS).
Responsável pela Unidade de Reumatologia Pediátrica do Departamento de Pediatria e do Serviço de Reumatologia do Hospital Universitário da Faculdade de Medicina da UFMS.

PATROCINADORES




Associados ASSOCIADOS

Acesse sua conta através de seu e-mail e senha.




INÍCIO|INSTITUIÇAO|CONGRESSOS & OUTROS EVENTOS|FALE CONOSCO

   
© Copyright 2010, SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA

SBP - Sede
R. Santa Clara, 292 
Rio de Janeiro - RJ 
CEP:22041-012  
Fone: 21-2548-1999
Fax: 21-2547-3567

FSBP
R. Augusta, 1939/53 
Sao Paulo - SP   
CEP:01413-000
Fone: 11-3068-8618 / 8901 /
8675 / 8595
Fax: 3081-6892

SBP - RS
R. Carlos Gomes, 328/305 
Porto Alegre - RS   
CEP:90480-000
Fone: 51-3328-9270 / 9520

SBP - MG
Padre Rolim, 123/301 
Belo Horizonte - MG 
CEP:30130-090
Fone: 31-3241-1128 / 1422

SBP - DF
SRTN 702 Conj. P 2106 a 2108
Brasília - DF
CEP: 70719-900
Fone: 61-3327-4927 / 3326-5926