carregando...

Resultado de parceria entre neto e avó, livro “A galinha de Angola e a Raposa Pipa” fala sobre inclusão social

Tome Nota 29/12/2016

Livro Galinha de Angola e a Raposa Pipa

Em coautoria com o neto Pedro Henrique, de apenas seis anos, a pedagoga Marilú Lourenço elaborou seu mais recente trabalho: o livro “A Galinha de Angola e a Raposa Pipa”. A partir de uma narrativa sobre as aventuras desses simpáticos bichinhos, a obra aborda a necessidade de se conviver com as diferenças e ensina às crianças valiosas lições sobre respeito ao próximo.

Segundo a autora, foi o pequeno Pedro Henrique quem percebeu a importância de escrever um livro sobre o tema da inclusão. “Ele chamou minha atenção para o fato da nossa biblioteca não ter livros falando de crianças, por exemplo, sem uma das pernas ou com excesso de peso. Ele idealizou o projeto, eu apenas complementei o conteúdo”, comenta a pedagoga, que possui mestrado em Ciências da Educação pela Universidade Lusófona de Humanidade e Tecnologia de Portugal.

Além da história principal, o livro inclui um caderno de atividades, no qual as crianças interagem de forma didática com os vários personagens da história. O material pode ser utilizado por professores, em sala de aula, como ferramenta pedagógica para a discussão de alguns aspectos importantes do convívio social.

RECEITE UM LIVRO – Dra. Kátia Correia Lima, presidente da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Norte (SOPERN), aprova a iniciativa e ressalta a importância da leitura para o desenvolvimento infantil. “O Pedro Henrique é uma prova concreta de como a leitura contribui para o aprendizado precoce. Por isso, é tão importante continuarmos a ‘receitar livros’ para nossos pacientes”, comenta.

A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), em parceria com as Fundações Itaú Social e Maria Cecília Souto Vidigal, desenvolve, desde 2015, a campanha “Receite um Livro”. O objetivo do projeto é mobilizar a comunidade de médicos pediatras para estimular a leitura parental e de cuidadores para as crianças de zero a seis anos, como forma de promover o desenvolvimento infantil integral.

Para mais informações sobre a campanha acesse aqui.