carregando...

Dr. Dioclécio recebe título de professor emérito da UnB e lança novo livro sobre a infância

Arquivo 27/09/2012


Com o reitor José Geraldo de Sousa

Ex-presidente e atual diretor de Assuntos Parlamentares da SBP, autor da proposta que originou a lei 11.770, que amplia a licença-maternidade para seis meses, o professor Dioclécio Campos Júnior recebeu, no último dia 19, o título de emérito da Universidade de Brasília (UnB). Concorrida, a cerimônia foi marcada pela presença ativa das netas do homenageado – Ana e Sofia.

No próximo Dia das Crianças, 12 de outubro, dr. Dioclécio lança, na capital federal, o livro “Crianças do mundo inteiro, uni-vos!” (Editora UnB, apoio da SBP) – uma reunião de textos sobre a infância, nas áreas de saúde e educação, muitos deles publicados em jornais como o Correio Braziliense. “Mamãe não é canguru nem cegonha” é o mais recente artigo veiculado no periódico com o qual colabora regularmente.

 

Homenagem

Em auditório lotado, a solenidade começou com a entrada de comitiva integrada pelos drs. Eduardo Vaz, presidente da Sociedade; João Paulo Silva, colega de turma do homenageado na Faculdade de Medicina do Triângulo Mineiro; Lígia Robalinho, professora de Pediatria da UnB; Roberto Sato, gerente nacional da Nestlé Nutrition e pelo vice-reitor, professor João Batista de Sousa.

Dr. Dioclécio entrou de mãos dadas com as duas netas, Ana e Sofia. Em seu discurso, emocionado, lembrou os pais; o filho adotivo Eduardo, já falecido; a formação, agradecendo especialmente ao seu orientador Henri Louis Vis, da Université Libre de Bruxelles (ULB), na Bélgica: “Não acredito em coincidências e me tocou profundamente saber que decidira se entregar de alma à pediatria depois de descobrir o desafio da desnutrição infantil na obra Geografia da Fome, do brasileiro Josué de Castro”, revelou.

Dra. Vera Bezerra, professora da UnB e diretora da SBP, ex-presidente da Sociedade de Pediatria do Distrito Federal (SPDF), responsável por apresentar a biografia, salientou o caráter militante do colega, desde a época do ginásio. O definiu como “ávido guerreiro pela formação dos profissionais de saúde pública, principalmente aquela voltada para as crianças e os adolescentes”. Lembrou também que coube ao agora professor emérito liderar estudantes e professores da UnB no processo que culminou com a criação da Faculdade de Medicina, em 1998.

Depois de entregar o título, o reitor José Geraldo de Sousa Júnior registrou a importância da honraria e, bem-humorado, disse que “Dioclécio também poderia receber a distinção de ‘mestre de obras’ emérito”, se referindo à construção do Instituto da Criança e do Adolescente (ICA) da Universidade, que deve ser inaugurado em 2013.

Emoção

Dentre os momentos marcantes, a violinista Sofia de Paulo Campos interpretou, “com maestria”, minueto de Bach e andantino de S.Suzuki. A pedido da platéia, e depois de aplausos entusiasmados, apresentou outra obra de S.Suzuki, “roubando a cena por completo”, segundo o avô homenageado.

Estavam presentes professores, estudantes, familiares, amigos e lideranças, como o ex-reitor da Lauro Morhy e o professor Ivan Camargo, indicado pelo Conselho Universitário para assumir o cargo de reitor da UnB a partir de novembro. Dentre os pediatras, participaram também o presidente da Academia Brasileira de Pediatria, Fernando José de Nóbrega; o vice-presidente da SBP, Fabio Ancona Lopez; o presidente da Sociedade Mineira de Pediatria, Paulo Poggiali e o dr. João Pimentel, do Grupo Permanente de Estudos sobre o Sono da Sociedade.