carregando...

Investimento na primeira infância é discutido no Congresso Brasileiro de Pediatria

Arquivo 09/10/2009

Em sua análise dos “Impactos sociais da educação na primeira infância”, o economista e coordenador do Centro de Políticas Sociais da FGV salientou que não há, no entanto, investimento em políticas públicas com maior “rentabilidade social”, que traga para a sociedade maior retorno inclusive econômico, do que o que se faz em saúde e educação de 0 a 6 anos. Por isto mesmo, Neri considera “excelente” o Programa Nacional de Educação Infantil (Pronei) – projeto de lei da parceria entre a SBP e a senadora Patrícia Saboya, em tramitação no Senado. “A Sociedade Brasileira de Pediatria tem tido um papel exemplar na defesa desta causa tão relevante”, disse.09/10/09 – O Brasil aumentou, nos últimos dez anos, em quase 50% a proporção de crianças de 0 a 6 anos na escola (passando de 30,11% para 46,1%). Mas isto ainda está bem abaixo do que ocorre com as faixas etárias de 7 a 14 (98%) e de 15 a 17 anos (84.3%). E quando se pergunta às mães por que isto ocorre, 20% das que têm filhos na primeira infância responde que o motivo é a falta de creches e pré-escolas, contra 10% das demais. Os dados são da Fundação Getúlio Vargas (FGV), do Rio de Janeiro, e foram apresentados hoje pelo professor Marcelo Neri, em conferência no 34º Congresso Brasileiro de Pediatria, em Brasília.

O professor também apresentou um ranking das capitais com mais crianças de 0 a 6 anos da escola: Vitória está em primeiro lugar (70,3%), seguida de Florianópolis (63.5%) e Recife (55.02%). Outro dado importante é a taxa de frequência escolar das meninas de 15 a 17 anos que têm filhos, que é de 23%, o que significa um quarto das demais. Por isto, Marcelo Neri assinalou a importância de “creches também nos colégios”.

Quanto às políticas de transferência de renda, Neri ressaltou que de 1992 para cá houve um aumento de R$172 por pessoa na terceira idade, contra apenas R$17 dos 0 a 6 anos. O professor fez também a defesa da criação do Bolsa Pré-escola, como complementação do Bolsa- Família, de maneira que não apenas a vacinação integre as contrapartidas que podem contribuir para um país melhor.

O Congresso vai até o dia 12 e conta com a participação de mais de quatro mil participantes. Veja o programa completo. Clique aqui para saber mais sobre os dados da FGV e também sobre o Pronei.

cong brasileiro 2009