carregando...

Mobilização no Mato Grosso do Sul

Arquivo 18/09/2009

No sistema público, a SPMS defende reajuste salarial para os médicos da prefeitura. Preocupado, dr. Alberto avisa que  “a situação tem se agravado” na Saúde.  São “plantões com média de 80 atendimentos em 12 horas, sem, às vezes, sequer um aparelho de Raio X. Some-se a isso, uma remuneração aviltante e a falta de segurança. Queremos que o atendimento básico tenha qualidade, para que as crianças não adoeçam tanto e a demanda dos postos não seja tão grande.18/ 09/09 – Os pediatras de Campo Grande atenderam ao chamado da Sociedade de Pediatria do Mato Grosso do Sul (SPMS) e se reuniram em assembleia nesta segunda-feira, dia 14. Na pauta, os problemas enfrentados tanto com os planos de saúde, quanto no sistema público. Participaram, pelo Núcleo VigilaSUS  e pela diretoria da SBP, os drs. Eduardo Vaz e Dennis Burns. Segundo o dr. Alberto Cubell Brull Jr., presidente da SPMS, foram formados três grupos, que vão elaborar, em uma semana, um documento que será entregue às operadoras e aos gestores públicos. “Estamos reivindicando aumento do valor da consulta e melhoria das condições de trabalho, conforme a orientação nacional da SBP”, salienta. O presidente da filiada informa também que a SPMS já conta com assistência jurídica para um possível descredenciamento: “buscamos a negociação, mas exigimos valorização profissional”, ressalta.

Histórico – Desde junho, e já seguindo as recomendações do Fórum de Defesa Profissional realizado pela SBP, a SPMS buscou as demais entidades médicas do estado: “Recebemos total apoio dos colegas”, informa o dr. Alberto, se referindo às direções do Conselho Regional de Medicina, do Sindicato dos Médicos e da Associação Médica. Juntas, as instituições apresentaram um documento à Secretaria de Saúde de Campo Grande.

Em agosto, os médicos se reuniram com o secretário municipal de saúde e apresentaram propostas consistentes. A Sociedade de Pediatria do MS e a SBP entendem que a inclusão do pediatra na Estratégia Saúde da Família (ESF) é o caminho para bem atender a população, atuando na base, e com resolutividade. Campo Grande tem nove postos de saúde com emergência 24 horas. “Sugerimos que se fixe cerca de quatro para atenção em pediatria, estrategicamente localizados, com especialistas em todos os horários, com condições mínimas de atendimento (laboratório, exames de imagem e enfermagem treinada), processos de atualização, com remuneração digna e com possibilidade de crescimento e reconhecimento profissional”, diz o documento, que foi assinado pelo dr. Alberto Cubel, com apoio dos drs. Marco Antônio Leite, presidente do SinMed-MS e Antonio Carlos Bilo, do CRM -MS.

Denúncia – A SPMS vai fiscalizar os cuidados com a população infanto-juvenil na rede pública. “Temos alertado sobre a importância da formação específica na área de pediatria. O atendimento de crianças por médicos sem o conhecimento apropriado é um desrespeito grave”, enfatiza o presidente da SPMS. As entidades médicas também refutam a afirmativa de “falta de pediatras”. Se hoje “há dificuldade para o preenchimento da escala de plantões das unidades de emergência, o que falta é política de valorização profissional”, finaliza o dr. Alberto.

Assembleia dos pediatras de Campo Grande, dia 14/09/09

Clique aqui para ver a Carta aberta ao Gestor de Saúde de Campo Grande

Leia o SBP Notícias 58/Especial com matéria de capa sobre a mobilização nacional da pediatria.

Leia outros documentos em Projetos de Lei e propostas para o sistema de saúde