Como falar de Abuso sexual com crianças e adolescentes?

Departamento Científico de Adolescência

  • Sim...

    veja como a seguir

  • Converse com as crianças que você conhece sobre o que é abuso sexual.  Nunca é cedo demais. Não precisa ser uma conversa assustadora. Você pode criar uma estória, uma fábula, uma canção… Algo com a linguagem adequada para cada idade. O objetivo é sugerir o debate e a reflexão acerca do abuso sexual na infância e adolescência, e com isso, tentar evitar experiências terríveis e traumáticas.

    Essas instruções NÃO impedirão absolutamente o abuso sexual, mas as crianças correm um risco muito maior sem elas. O conhecimento é uma força poderosa para o abuso sexual na infância – especialmente com crianças pequenas que são alvo mais fácil devido à sua inocência e ignorância nesta área. Tenha essas conversas frequentemente. Uma vez não é suficiente. Este é um tópico que deve ser revisitado sempre, sempre. A maioria dos abusadores é parente ou amigo da família que usa da confiança para praticar o crime. É preciso que a criança saiba que está segura - seja de quem for.

  • 1. Fale sobre partes do corpo

    Nomeie as partes do corpo e f ale sobre elas usando nomes próprios, ou pelo menos ensine a criança as palavras reais de suas partes do corpo. Como: “meninos têm pênis e meninas têm vagina”. O nosso corpo é a nossa parte mais real e precisa ser respeitado e tratado com realidade e não fantasia. 

    2. Ensine que as partes do corpo são íntimas

    Diga a criança que as partes íntimas do seu corpo são chamadas de íntimas porque não são para que todos vejam. Explique que a mamãe e o papai podem até vê-los nus enquanto lhes auxiliam no banho e/ou na troca de roupa, mas nem o papai e nem a mamãe podem “fazer carícias ou cócegas” em suas partes íntimas. E esta regra continua para  as pessoas que não vivem com ela na mesma casa. Os adultos e os coleguinhas só devem vê-los vestidos. Explique ainda que o médico dela pode vê-la sem suas roupas, porque a pessoa responsável por ela estará lá com ela. E o médico somente faz isso para ver como está a sua saúde.  . Crianças adoram quando lhes delegam “o poder de dizer não”.  

    3. Ensine os limites do corpo

    Diga a criança que não permita que ninguém toque em suas partes íntimas e que nenhuma pessoa pode pedir que também que a criança toque o adulto. Diga que ela é a dona do seu corpo e não permita que outras pessoas possam estar passando a mão ., e nunca aceitar nada de ninguém além do pai da mãe. O abuso sexual algumas vezes começa pedindo a criança para tocar nele ou em outra criança. Alerte a criança para todas as artimanhas do abusador: “eu tenho um lindo cachorrinho, você quer tocá-lo? Vamos lá em casa para vê-lo?”; “Eu lhe dou muitos doces se você beijar aqui…” não conte para sua mãe..        e nosso segredo”

    4. Fale para a criança que os segredos são ruins

    A maioria dos abusadores dizem a criança para manter o abuso em segredo. Isso pode ser feito de uma maneira amigável, como “Eu adoro brincar com você, mas se contar a outra pessoa sobre o que fazemos, não vão me deixar voltar aqui” ou como uma ameaça – “Este é o nosso segredo. Se você contar a alguém, vou dizer que a ideia foi sua e você vai ter um grande problema”; “Sua mãe pode morrer atropelada se você contar o nosso segredo”. Diga a criança que não importa o que alguém lhe fale, segredos sobre tocar em partes do corpo são ruins. Deixe a criança saber que ele deve sempre lhe contar se alguém está tentando fazê-la manter segredos. Diga-lhe que você jamais ficará zangado com ela se ela lhe contar e jamais achará que ela teve culpa. 

    5. Diga a criança que ninguém deve fotografar suas partes íntimas

    Esta é uma atitude muitas vezes não percebida pelos pais. Há muitas pessoas doentes, pedófilos que amam fotografar e negociar retratos de crianças nuas online. Esta é uma epidemia e coloca o seu filho em perigo. Se você falar somente sobre a segurança do corpo pode estar faltando um fator de risco. Explique a criança que ninguém deve jamais tirar fotos suas, seja como for, nuas ou não, a criança deve sempre pedir autorização aos seus responsáveis. Por isso ensine-a a dizer: “você não tem autorização para tirar uma foto minha”.

    6. Ensine a criança como sair de situações assustadoras ou desconfortáveis

    Algumas crianças não se sentem à vontade para dizer “Não” às pessoas – especialmente aos mais velhos ou adultos. Ajude-as a dar desculpas para sair de situações desconfortáveis. Fale para ela que se alguém quiser ver ou tocar em suas partes íntimas ou qualquer outra parte do corpo, ele pode responder, por exemplo, que precisa ir ao banheiro e depois sair correndo.  7

    7. Crie uma palavra “código” para a criança usar quando se sentir insegura ou com medo

    Conforme as crianças crescem, podemos trabalhar com uma palavra “código” que elas podem usar quando se sentirem inseguras. Isso pode ser usado em casa, quando há convidados, no playground ou mesmo quando vão dormir da casa de amigos. Lembra quando eu sugeri para criarem uma história, uma fábula, uma canção…? Então, dentro dessa história que você criar, pode existir um par de amigos que tem uma palavra secreta para os momentos de perigo. A criança achará isso o máximo e confiará sempre em seu amigo das horas de perigo. 

    8. Diga a criança que ela nunca vai se dar mal lhe contando segredos do corpo

    Diga a criança que não importa o que aconteça – sempre precisam contar aos pais, não precisam ter medo. JAMAIS serão punidas ou criticadas. Muitos pais prometem não agredir o filho se este lhe contar a verdade, mas ao saberem da verdade ficam furiosos e agridem o filho, físico e verbalmente. ISTO NÃO PODE ACONTECER! SEU FILHO É SEMPRE A VÍTIMA!

    9. Fale para a criança que um toque no corpo pode fazer cócegas ou parecer legal, mas isso é desrespeito 

    Muitos pais e livros falam sobre “toque bom – toque ruim” – diferenciando toques cócegas e/ou carícias dos que fazem a criança se sentir mal. Tente ficar longe dessas frases, pois isso pode confundir uma criança que, por exemplo, sente “cócegas” em suas partes íntimas. Eu prefiro o termo “toque secreto”. Esta é uma descrição mais precisa do que pode acontecer. Em suas partes íntimas só ela mesma pode tocar enquanto se higieniza. 

    10. Diga que mesmo que ela conheça a pessoa ou mesmo que seja outra criança – as regras são as mesmas

    Este é um importante ponto para discutir com a criança. Quando você pergunta a uma criança o que é um “cara mau” ela provavelmente vai descrever um personagem vilão de seus desenhos favoritos. Certifique-se de mencionar a criança que ninguém pode tocar suas partes íntimas. Você pode dizer algo como: “Ninguém deve tocar suas partes íntimas. Se você ainda não sabe lavar suas partes íntimas sozinha, pode aprender tentando todos os dias. Mas, nem amigos, nem tias ou tios, professores, treinadores ou mesmo o papai e a mamãe podem lhe tocar – ninguém. Mesmo se você gosta deles ou pensa que estejam no comando, eles ainda não devem tocar suas partes íntimas”. Fonte: Tradução página: Heysigmundi.com

    É importante lembrar que existem situações que podem piorar a acne, como a utilização de medicamentos (anticonvulsivantes, corticosteroides, lítio, algumas pílulas anticoncepcionais, vitamina B12), anabolizantes e determinados cosméticos. Note-se ainda que a acne pode ser indicativa de alguma alteração hormonal (síndrome dos ovários policísticos, hiperplasia de suprarrenal, puberdade precoce, etc.). Por isso, o tratamento deve ser acompanhado por um médico, que terá as condições de escolher adequadamente a medicação para cada caso, e investigar se julgar necessário.
Nossos Endereços

SBP-Sede • R. Santa Clara, 292 - Rio de Janeiro (RJ) - CEP: 22041-012 • 21 2548-1999 

FSBP • Alameda Jaú, 1742 – sala 51 - São Paulo (SP) - CEP: 01420-002 • 11 3068-8595 

SBP-RS • Av. Carlos Gomes, 328/305 - Porto Alegre (RS) - CEP: 90480-000 • 51 3328-9270 / 9520