Odor axilar

Departamento Científico de Endocrinologia

  • O suor é virtualmente sem odor para os humanos. O odor axilar surge, quando as bactérias metabolizam as proteínas e gorduras que são liberadas com o suor. Ou seja, as substâncias precursoras do odor axilar estão presentes na secreção das glândulas apócrinas (glândulas que produzem o suor), mas apenas a sua interação com microrganismos da pele é que causa o odor axilar. Em resumo, o suor (sem cheiro), ao ser metabolizado por bactérias, produz substâncias que apresentam odor desagradável.  

  • Sim. Algumas crianças podem se contaminar com bactérias da roupa de adultos e com isso apresentarem odor axilar transitório, que pode ser tratado com uso de creme tópico de antibióticos.

  • Não. O odor axilar também pode ser causado por uso de roupas contaminadas por bactérias, pelo consumo de alimentos como alho, por produção excessiva de suor (hiperhidrose) e, mais raramente, por fenilcetonúria.

  • O odor axilar da puberdade, surge, tipicamente, na criança que iniciou a produção de hormônios (meninas maiores de 8 anos e meninos maiores de 9 anos), fase em que ocorre a ativação das glândulas sudoríparas. 

  • O odor corporal nos homens tende a ser mais acentuado do que nas mulheres, devido a maior atividade das glândulas masculinas. 

  • - Lavar e secar o corpo, pelo menos 1 vez ao dia, principalmente nas áreas onde se localizam as glândulas sudoríparas (p. ex., axilas, região genital, pés);

    - Não usar roupas suadas;

    - Lavar as roupas impregnadas pelo suor;

    - Usar roupas de fibras naturais que permitam a evaporação do suor;

    - Raspar ou depilar as axilas que ao eliminar os pelos diminuem o acúmulo de suor nas axilas;

    - Evitar alimentos que contenham especiarias (ex: alho, cebola, cominho, curry);

    - Usar desodorantes, aplicando-os em toda extensão da axila para que sejam eficazes
  • Embora usados como sinônimos, desodorante e antitranspirante, referem-se a produtos diferentes. Desodorantes, são produtos que mascaram o mau odor axilar perfumando o corpo, mas sem reduzir a transpiração, sendo indicados para quem não transpira muito e deseja apenas eliminar o odor desagradável, sem interferir na produção do suor.  Antitranspirantes, são produtos que reduzem a produção de suor, sendo indicados para quem transpira muito.

  • Os efeitos adversos mais comuns são: (1) Irritação de peles sensíveis; (2) Aumento do risco de desenvolver infecção ao obstruir a drenagem das glândulas sudoríparas; e (3) Manchas nas roupas e/ou na pele

  • Embora se diga que desodorantes possam causar câncer de mama e doença de Alzheimer devido a absorção crônica do alumínio e de seu posterior depósito nas mamas onde teria ação cancerígena, ou no cérebro levando a disfunção neurológica e doença de Alzheimer; não existem estudos científicos que comprovem essa hipótese. Para aqueles indivíduos mais preocupados, a indústria de cosméticos vende desodorantes sem sais de alumínio. 

  • Eles são indicados quando tiver início a mudança do odor do suor nas axilas. Porém, a ANVISA recomenda o uso de desodorante para crianças maiores do que 12 anos. 

  • Muitas pessoas preferem o uso de produtos sem cheiro, uma vez que a mistura dos odores corporais, da fragrância do desodorante, dos sabonetes e perfumes nem sempre produz um cheiro agradável. Nesses casos, na ausência da fragrância, o desodorante deve conter substâncias antibacterianas para eliminar os microrganismos causadores do mau odor.

     

  • Caso não se deseje usar desodorantes, existem outras opções como, por exemplo: (1) Desodorante sem álcool e sem perfume; (2) Leite de magnésia (o hidróxido de magnésio neutraliza os ácidos do suor evitando o mau cheiro e tornam o meio básico reduzindo a proliferação de bactérias); (3) Minâncora (o óxido de zinco + cloreto de benzalcônio + cânfora, atuam como antissépticos e adstringente); (4) Leite de rosas (óxido de zinco + cloreto de benzalcônio, atuam como antisséptico); (5) Compressas de chá preto (o ácido tânico diminui a produção de suor da glândula sudorípara).

Nossos Endereços

SBP-Sede • R. Santa Clara, 292 - Rio de Janeiro (RJ) - CEP: 22041-012 • 21 2548-1999 

FSBP • Alameda Jaú, 1742 – sala 51 - São Paulo (SP) - CEP: 01420-002 • 11 3068-8595 

SBP-RS • Av. Carlos Gomes, 328/305 - Porto Alegre (RS) - CEP: 90480-000 • 51 3328-9270 / 9520