Picadas de insetos e repelentes

Departamento Científico de Dermatologia

  • Qualquer inseto que pique poderá provocar reação nas crianças suscetíveis. Entre os mais comuns estão os mosquitos, pulgas e carrapatos.

    Denominamos Prurigo Estrófulo ou Urticária Papular a reação alérgica aos antígenos existentes na saliva dos insetos.

  • O prurigo estrófulo raramente terá início antes do sexto mês de vida, pois, para que ocorra a sensibilização alérgica, são necessárias diversas picadas. O tempo para o desenvolvimento da alergia varia de criança para criança e depende do número de exposições aos insetos no seu dia a dia. Após ter sido sensibilizada, a criança apresentará a reação. A doença, na maioria das vezes, tem início entre os 12 e os 24 meses de vida. A tendência é melhorar por volta dos 10 anos de idade.

  • São pápulas (bolinhas) vermelhas e/ou vesículas (bolhas de água) de distribuição linear ou aos pares, com coceira. Os mosquitos e pernilongos (“insetos voadores”) geralmente picam nas regiões expostas do corpo, como braços e pernas. O tronco é acometido principalmente quando os agentes são “insetos andadores” como pulgas ou percevejos. As lesões podem surgir agudamente ou alguns dias após as picadas, e a reação pode durar algumas semanas quando não tratadas. Aoo final, pode ficar uma mancha escurecida que demora meses para desaparecer.

  • Podemos citar algumas medidas que podem ajudar:

    1)       Usar roupas de mangas longas, calças compridas e meias de preferência por cima da calça para fazer uma barreira física;

    2)       Somente abrir as janelas e portas após o nascer do sol, fechando-as antes do pôr do sol (horário que os insetos procuram a “refeição”);

    3)        Instalar telas nas janelas e portas da casa;

    4)       Utilizar mosquiteiros nas camas e berços;

    5)       Aplicar produtos à base de permetrina nas telas, mosqueteiros e cortinas;

    6)       Fazer uso do repelente tópico durante o dia se a criança for exposta aos insetos;

    7)       Preferir o uso, se possível, de ar condicionado, pois ambientes climatizados afastam os mosquitos;

    8)       Dedetizar periodicamente a casa;

    9)       Usar repelentes elétricos;

    10)  Manter limpo o terreno da casa, além de retirar sempre o lixo e entulhos que possam acumular água parada e servirem como criadouros de insetos voadores;

    11)  Eliminar as pulgas dos animais de estimação.

  • Os repelentes tópicos podem ser usados durante passeios em locais com maior número de insetos como praias, parques, fazendas e chácaras. Não devem ser aplicados durante o sono ou por períodos prolongados. A idade de uso deve ser checada no rótulo, alguns produtos podem ser utilizados eventualmente a partir de 3 meses e são recomendados de forma mais segura a partir de 6 meses de vida.

    Orientações quanto à aplicação dos repelentes:

    1. NUNCA aplicar na mão da criança para que ela mesma espalhe no corpo. Elas podem esfregar os olhos ou mesmo colocar a mão na

    boca;

    2. Aplicar a quantidade e intervalo recomendados pelo fabricante no rótulo do produto;

    3. NÃO aplicar no rosto ou sobre a pele traumatizada;

    4. Assim que não for mais necessário o repelente deve ser removido com um banho com água e sabonete;

    5. NÃO permitir que a criança durma com o repelente aplicado;

    6. Produtos em associação do tipo repelente com hidratante ou repelente com protetor solar devem ser evitados.

    Recomenda-se aplicar primeiro o protetor solar e após secar, realizar a aplicação do repelente escolhido.

  • O tratamento deve ser orientado pelo Pediatra ou Dermatopediatra da criança, geralmente com pomadas anti-inflamatórias e anti-histamínicos orais.