Artrite aguda em crianças e adolescentes

Departamento Científico de  Reumatologia

  • A artrite aguda é a inflamação com dor, inchaço e limitação dos movimentos, acometendo uma ou mais juntas (articulações), ocorrendo frequentemente após infecções, com duração menor que 6 semanas, e resolvendo espontaneamente na maioria dos casos. A artrite aguda precisa ser abordada pelo pediatra e outros especialistas, o reumatologista, o ortopedista, às vezes o hematologista, quando junto com a artrite, ocorrer febre alta ou a criança ficar prostrada e o estado geral piorar.

  • A artrite aguda pode ocorrer por infecção direta na articulação ou no osso próximo da articulação e pode ser também causada por uma infecção à distância, ocorrendo no intestino, infecção urinária, faringite e até por gripe (influenza) e diversas síndromes respiratórias e doenças exantemáticas da criança como por exemplo a rubéola. Diversas formas de hepatite podem causar artrite e há muitos vírus que estão surgindo que podem causar artrite também, entre estes os vírus transmitidos por mosquitos como a dengue e a infecção Zika, caracteristicamente na doença chamada de febre Chikungunya, onde a artrite pode se prolongar. O câncer infantil também pode se manifestar inicialmente apenas como artrite. 

  • A artrite aguda é diagnosticada pelo pediatra e pelo especialista em Reumatologia. Estabelecer a causa e o tratamento pode ser mais difícil necessitando a realização de exames de sangue para averiguar a inflamação e a infecção.  Exames de imagem como radiografias, ultrassom e exames mais complexos podem ser necessários. A ressonância magnética indica mais precisamente o local comprometido. Se houver suspeita de infecção bacteriana, indicam-se exames de cultura para identificar o microorganismo e  tratar. Na artrite aguda causada por vírus é necessário fazer exames de sangue de sorologia de acordo com a suspeita ou contato. Eventualmente, alguns exames de imagem poderão ser solicitados se houver suspeita de artrite por câncer ou tumor, tais como: tomografia por emissão de pósitrons e ressonância magnética (PET/RM), PET associada à tomografia computadorizada (PET/TC) ou ressonância magnética de corpo inteiro.

  • A criança apresenta dor, inchaço nas juntas, dificuldades para movimentar-se,  apoiar-se ou andar. Se for um bebê, fica muito irritado, chora mais quando é manipulado.  Pode haver febre, maior que 38 graus, dor em outros locais além da articulação, rigidez no movimento ou contração do membro. A duração, em geral varia de dias até 6 semanas. A artrite aguda pode mudar de lugar, chamada artrite migratória. Por isso, é importante acompanhar e voltar ao mesmo médico nestas 6 semanas ou até que a artrite se resolva. Se nos primeiros dias o quadro não apresentar melhora, o estado da criança piorar, isto pode indicar infecção na articulação ou no osso (osteomielite) Os exames de sangue e de imagem também podem indicar o comprometimento de outros órgãos. Se houver acometimento de muitas juntas e sopro no coração ou alteração no Ecocardiograma, há possibilidade de ser febre reumática, causada por infecção pelo estreptococo, que é tratada com penicilina injetável de longa duração chamada penicilina benzatina, também como prevenção  por tempo prolongado.

  • O primeiro passo é identificar a causa da artrite, avaliar se tem infecção concomitante ou se teve infecção recente. O repouso relativo da articulação é necessário, analgésicos (como paracetamol ou dipirona) ou anti-inflamatórios como o ibuprofeno, ou naproxeno, podem ser indicados para controle da dor articular, sendo prescritos pelo especialista. O tratamento deve ser individualizado e sempre conduzido pelo reumatologista pediátrico.

    Dependendo dos sinais e sintomas, alguns pacientes podem se beneficiar do uso de anti-inflamatórios não-hormonais, como naproxeno; podendo haver necessidade de medicamentos para proteção do estômago e de antibióticos se houver infecção na articulação ou no osso.  Os medicamentos corticosteroides (prednisona ou prednisolona) são preferencialmente indicados no caso da febre reumática com comprometimento do coração. Se for apenas a artrite o tratamento anti-inflamatório se faz com a aspirina de uso regular. Neste caso também se faz necessário o tratamento em longo prazo com injeção de penicilina benzatina que é um antibiótico de efeito prolongado, a cada 21 dias.

  • O acompanhamento da maioria das artrites agudas se faz até os sintomas desaparecerem, o que ocorre dentro de um prazo de 6 -12 semanas. No caso da febre reumática o acompanhamento vai até o final da idade pediátrica (18 anos) por ser necessário prevenir o reaparecimento da doença com o tratamento profilático prolongado com penicilina benzatina e averiguação no acompanhamento, se existem sinais de acometimento das válvulas do coração, sendo também recomendado o acompanhamento conjunto com o cardiologista. Se houver persistência do comprometimento cardíaco e alterações nas válvulas (vistos no ecocardiograma), de forma persistente, o paciente terá que continuar o acompanhamento na clínica de adultos.