Infecção em crianças pelo Coronavírus(Covid-19)

Infectologia

  • Com base nas evidências científicas atuais disponíveis, as infecções pelo COVID-19 parecem afetar as crianças com menos frequência e menos gravidade do que em adultos. Um estudo recente, publicado no início de março de 2020, sugere que as crianças são tão propensas a se infectarem quanto os adultos, mas apresentam menossintomas ou risco de desenvolver doença grave.

  • Isso poderia ocorrer porque as crianças são menos expostas às principais fontes de transmissão. Como a maioria das crianças infectadas não apresenta sintomas ou os sintomas são menos graves, os testes diagnósticos não são realizados em muitos casos, fazendo com que o número real de crianças infectadas seja subestimado. A  importância das crianças na cadeia de transmissão do vírus permanece incerta.

  • A maioria das crianças infectadas pelo COVID-19, segundo os dados atuais, tem um contato familiar com diagnóstico da infecção. Das crianças infectadas na China, em 82% dos casos foi comprovado contato domiciliar. As crianças provavelmente não constituem um reservatório importante do vírus.

  • O chamado período de incubação é de 5 a 6 dias. Em um estudo com 183 casos da doença na China, com período de exposição e o início dos sintomas bem definidos, o período de incubação médio foi de 4,8 dias (com intervalo de confiança de 95% de 4,2 a 5,4 dias).

  • Os sintomas são os comuns de resfriado, como febre, coriza, dor de ouvido, dor de garganta, e dor de cabeça, mas também podem ocorrer aumento da frequência respiratória, sibilos e pneumonia. Os sintomas gastrointestinais como vômitos e diarreia podem ocorrer em até 57% dos casos, sendo mais comuns em crianças do que em adultos.Na China 10% das crianças eram assintomáticas, 40% a 50% tinham febre e a mortalidade foi 0%.

  • Este é um bom momento para ensinar as crianças a fazerem as mesmas coisas que todos devem fazer para se manterem saudáveis:
    − Lavar as mãos com frequência usando água e sabão em quantidade suficiente e de maneira adequada (entre os dedos, palma e dorso das mãos, esfregar as unhas, estendendo a lavação até os punhos) ou, caso não seja possível lavar as mãos em algumas situações, utilizar desinfetante a base de álcool gel;
    − Evitar contato com pessoas doentes (que estejam com algum sintoma como tosse, espirros ou febre);
    − Limpar e desinfetar diariamente as superfícies de toque frequente nas áreas comuns da casa (por exemplo, mesas, cadeiras de encosto alto, maçanetas, interruptores de luz, controles remotos, banheiros, pias);
    − Lavar objetos e brinquedos, incluindo os de pelúcia laváveis.

  • Não. Se a criança estiver saudável, não há necessidade de usar máscara facial.Somente as pessoas que apresentam sintomas de doença ou que prestam assistência àqueles doentes devem usar máscaras.

Nossos Endereços

SBP-Sede • R. Santa Clara, 292 - Rio de Janeiro (RJ) - CEP: 22041-012 • 21 2548-1999 

FSBP • Alameda Jaú, 1742 – sala 51 - São Paulo (SP) - CEP: 01420-002 • 11 3068-8595 

SBP-RS • Av. Carlos Gomes, 328/305 - Porto Alegre (RS) - CEP: 90480-000 • 51 3328-9270 / 9520