Insuficiência Cardíaca Congestiva

Departamento Científico de Cardiologia

  • A Insuficiência Cardíaca Congestiva (ICC) acontece quando o coração não consegue enviar para o organismo o oxigênio necessário para o funcionamento de todos os tecidos e demais órgãos do corpo,pois, de alguma forma, não consegue fazer o bombeamento do sangue na quantidade necessária para transportar o oxigênio.

  • A principal causa é a cardiopatia congênita, anomalia que acontece na formação do coração do feto e que, dependendo do tipo e da gravidade dos defeitos, faz com que o coração da criança, geralmente depois que ela nasce, ou nas primeiras horas, ou alguns dias ou meses depois, não funcione adequadamente, desenvolvendo a ICC.
    Outras causas podem ser infecções, como acontece na miocardite viral, ou inflamações, como pode acontecer com a Febre Reumática ou com a Doença de Kawasaki, e ainda outrasmenos frequentes, como arritmias, por exemplo.

  • Como a ICC pode acontecer em qualquer idade, desde recém-nascidos até adolescentes, os sinais e sintomas podem ser pouco diferentes.
    Nas crianças menores, se caracteriza por dificuldade para mamar, com cansaço fácil e interrupções frequentes das mamadas e, em algumas, coloração azulada (cianose)nos lábios e extremidades. Nas maiores, cansaço e fadiga, falta de ar e mal-estar em atividades que antes desempenhava sem problema, às vezes, inchaço nas pernas.
    Como sinais, destacam-se a respiração com esforço e mais acelerada, palidez, suor excessivo sem relação com a temperatura ambiente e irritabilidade.
    O ganho de peso inadequado é também característico em crianças de baixa idade. 

  • O diagnóstico pode ser feito clinicamente,por meio dos sinais e sintomas e de achados que o médico identifica ao examinar a criança ou adolescente: aceleração do coração (taquicardia), aceleração da respiração (taquipneia) e esforço respiratório (dispneia), e aumento do fígado quando faz a palpação do abdome (hepatomegalia).
    Outros exames são importantes para complementar o diagnóstico, como o raio-X de tórax, que pode mostrar o coração aumentado de volume e a quantidade de sangue aumentada nos pulmões; o eletrocardiograma, que pode revelar arritmia, que pode, às vezes, ser causa de ICC, ou alterações que sugerem a presença de problemas no coração; e o ecocardiograma,o ultrassom do coração, que é uma importante ferramenta na investigação e esclarecimento mais detalhado do que está acontecendo com o coração e determinando a ICC.

  • Após o reconhecimento da ICC e, se possível, de sua causa, medidas devem ser instituídas, de acordo com cada caso.
    De maneira geral, utiliza-se:

    ·         Diuréticos: são medicamentos que aumentam o volume de urina eliminada, com isto diminuindo o líquido que fiou retido no organismo e o volume de sangue nos vasos e no coração, facilitando o trabalho cardíaco.

    ·         Vasodilatadores sistêmicos: são medicamentos que dilatam os pequeníssimos vasos que existem nos nossos tecidos, diminuindo a resistência à passagem do sangue, que na ICC está aumentada, com isto também facilitando o desempenho do coração.

    ·         Digitálicos: são medicamentos que aumentam a força de contração do músculo cardíaco (miocárdio) e diminuem o número de batimentos, que estão acelerados, com isto também facilitando o trabalho cardíaco.

    ·         Betabloqueadores: são medicamentos que também diminuem a frequência dos batimentos cardíacos, e protegem o músculo cardíaco da dilatação que sofreu durante o processo da ICC.

    Outras medidas podem ser necessárias, mas dependerão da causa, da gravidade e da idade em que está ocorrendo a ICC, como medicamentos especiais, internação em UTI, respiração por aparelhos, cateterismo cardíaco ou cirurgia cardíaca.
    Outros cuidados incluem manter as vacinas sempre em dia, muita atenção a quadros infecciosos, principalmente de vias aéreas, as mamadas serem oferecidas em menores intervalos de tempo até que a criança esteja sugando melhor, e seguir as orientações do pediatra e do cardiologista pediátrico em termos dos cuidados necessários para cada situação.

  • Muito alta. Atualmente, com todos os recursos disponíveis, a ICC pode ser tratada e após identificada sua causa, ser abordada mais especificamente e recuperar a saúde cardiovascular da criança ou adolescente, e sua qualidade de vida.
    Deve-se ressaltar que, atualmente, o ecocardiograma fetal pode identificar anomalias congênitas que podem comprometer o bebê logo após o nascimento. Assim, os cuidados, que este recém-nascido possa precisar, podem ser planejados e a assistência ser oferecida antes mesmo dos sinais e sintomas da ICC se manifestarem.

  • O acompanhamento clínico deve ser mantido com o pediatra e com o cardiologista pediátrico,os quais orientarão quais as medidas a serem adotadas mais de imediato, quando liberar para atividades físicas, e outros cuidados a serem tomados ao longo da vida.

Nossos Endereços

SBP-Sede • R. Santa Clara, 292 - Rio de Janeiro (RJ) - CEP: 22041-012 • 21 2548-1999 

FSBP • Alameda Jaú, 1742 – sala 51 - São Paulo (SP) - CEP: 01420-002 • 11 3068-8595 

SBP-RS • Av. Carlos Gomes, 328/305 - Porto Alegre (RS) - CEP: 90480-000 • 51 3328-9270 / 9520