Voltar ao Portal SBP
Tumores do Sistema Nervoso Central - parte 1

Departamento Científico de Oncologia

  • Representam o grupo de tumores sólidos mais frequentes entre as crianças e adolescentes, correspondendo de 16% a 20% de todas as neoplasias (proliferação desordenada de células no organismo) na criança e no adolescente. Ocorre com mais frequência na faixa etária de um a quatro anos. 

  • As causas dos tumores de SNC são desconhecidas na maioria das vezes, acreditando-se, atualmente, que a doença seja de etiologia multifatorial. Algumas alterações podem ser adquiridas durante a vida e outras são hereditárias (cerca de 10% dos casos) e estão associadas com algumas síndromes familiares como por exemplo, a neurofibromatose e a esclerose tuberosa. A radiação ionizante é um fator de risco ambiental que está associada ao aumento do desenvolvimento de tumores de SNC. 

  • Os sinais e sintomas da apresentação inicial dos tumores do SNC são semelhantes a sinais e sintomas de doenças mais comuns e menos graves da infância, podendo resultar em dificuldades e atrasos no diagnóstico.

    A apresentação clínica depende da localização do tumor e da idade do paciente. Lactentes (crianças de zero a dois anos de idade) tendem a apresentar sintomas inespecíficos como macrocefalia (aumento do tamanho da cabeça), não ganho de peso, perda dos marcos do desenvolvimento (atraso no desenvolvimento) e vômitos. Crianças maiores costumam apresentar sinais neurológicos de localização e sintomas de hipertensão intracraniana, como cefaleia, náuseas, vômitos, e paralisia de nervos cranianos. 

  • Os primeiros sintomas do tumor cerebral podem ser causados pela elevação da pressão dentro do crânio (pressão intracraniana). A pressão pode aumentar porque o tumor bloqueia o fluxo de líquido cefalorraquidiano dentro do cérebro ou porque o tumor ocupa o espaço. O líquido cefalorraquidiano (ou líquor) é um líquido incolor, que circula o cérebro e a medula espinhal através do espaço subaracnoídeo, ventrículos cerebrais e o canal central da medula. 

  • ·         Aumento da cabeça (hidrocefalia) em bebês e crianças muito pequenas (“Hidro” significa água e “cefalia” se refere à cabeça). Na hidrocefalia há aumento da quantidade de líquido cefalorraquidiano no cérebro. Esse excesso de líquido pode aumentar a cabeça do bebê. Se a pressão no cérebro aumentar muito, o bebê pode ter problemas de desenvolvimento.

    ·         Cefaleia (dor de cabeça), que geralmente é mais intensa pela manhã e alivia com vômitos

    ·         Náusea e vômito (com frequência logo que a criança acorda)

    ·         Problemas de visão, tais como visão dupla

    ·         Dificuldade para mover os olhos para cima

    ·         Alterações do humor ou do estado de consciência, o que torna a criança irritável, inquieta, confusa ou sonolenta

    ·         Convulsões

    ·         Dificuldade de ganhar de peso (síndrome diencefálica), mesmo a criança comendo bem

    ·         Perda dos marcos do desenvolvimento (retardo do desenvolvimento neuropsicomotor)

    ·         Alteração na marcha (problemas no modo de andar, andar cambaleante)

    ·         Quedas frequentes

     

    A presença de outros sintomas varia na dependência da parte específica do cérebro na qual o tumor está localizado.

    Crianças com sinais e sintomas persistentes devem ser avaliadas pelo Pediatra, que fará a história clínica, exame físico e neurológico e, quando indicado, solicitará os exames de imagem, bem como o encaminhamento para os especialistas.