Conjuntivite Alérgica

O que é conjuntivite alérgica?  

A conjuntivite alérgica, como todas as alergias,  é resultado de uma reação do sistema imunológico a algo na maioria das vezes inofensivo (alérgeno) que ele julga estranho, produzindo uma resposta inflamatória exagerada. Neste caso o principal alvo desta reação é a conjuntiva,   uma membrana delicada que cobre o olho e o interior das pálpebras (FIGURA 1).

FIGURA 1.Conjuntivite   

O principal sintoma da conjuntivite alérgica é o prurido (coceira) dos olhos. Além disso, são frequentes as queixas de vermelhidão, sensação de queimação ou corpo estranho (“areia” nos olhos), inchaço das pálpebras, lacrimejamento e fotofobia (sensibilidade à luz).

Existem diferentes  formas clínicas de conjuntivite alérgica e dependendo da causa, os sintomas podem ser intermitentes (durar horas) ou perenes (durar dias/meses). A doença  pode ser isolada, mas na maioria das  vezes está associada à rinite alérgica, isto é, acompanhada de  coceira (no nariz, garganta, ouvido), espirros em salvas, coriza aquosa e nariz entupido. A associação dos sintomas nasais e oculares é chamada de rinoconjuntivite alérgica, e estima-se que  entre 12 a 15% das crianças e adolescentes brasileiros apresentam esta condição.

Ao afetar a visão, a  conjuntivite alérgica pode provocar um pobre  desempenho escolar, além de  restrição das atividades de lazer acarretando importante comprometimento na qualidade de vida, não só das crianças e adolescentes, mas também de suas famílias.  

Quais são as principais causas de conjuntivite alérgica?

Diferentemente das conjuntivites infecciosas, causadas por vírus e bactérias, a conjuntivite alérgica não é contagiosa e suas principais causas são os aeroalérgenos provenientes de animais domésticos, como cães e gatos, baratas e principalmente dos ácaros da poeira domiciliar. Estes últimos  são seres microscópicos cujo alimento principal é a  descamação da pele humana. Calcula-se que devam existir de 500 mil a 2 milhões de ácaros o interior de um colchão, independente das condições de higiene da casa. Assim, os ácaros são capazes de causar conjuntivite alérgica durante todos os meses do ano.

A rinoconjuntivite alérgica sazonal (polinose/febre do feno), em geral está limitada  aos estados do Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina, onde as estações do ano são bem definidas.Neste caso,os principais alérgenos são os poléns de gramíneas e os sintomas ocorrem caracteristicamente durante os meses da primavera (Setembro - Outubro - Novembro).

Qual o tratamento para conjuntivite alérgica?  

Em geral a  avaliação e tratamento da conjuntivite alérgica  devem ser realizados pelo pediatra em conjunto com o alergista, e se necessário o oftalmologista.

Apesar do incomodo, em sua  vasta maioria a conjuntivite alérgica é uma doença benigna, que não deixa sequelas. Entretanto, formas  clínicas mais graves e raras com possível  envolvimento da córnea (a lente que cobre a parte colorida do olho) podem ocorrer. Estes casos devem ser suspeitados  especialmente nas crianças com alterações da visão e queixa de intensa fotofobia e devem ser encaminhados imediatamente ao oftalmologista.

Os medicamentos mais utilizados estão disponíveis como colírios de ação antialérgica e também  como medicação oral. O uso de colírios resfriados (mantidos na geladeira) e compressas de soro fisiológico  pode reduzir a sensação de coceira e desconforto nos olhos.

Além do uso de medicamentos, o tratamento da conjuntivite alérgica compreende medidas  educativas de controle ambiental que são essenciais para diminuir a exposição aos alérgenos intradomiciliares (QUADRO 1).


QUADRO 1. MEDIDAS DE CONTROLE AMBIENTAL 



·         Mobiliário simples e de fácil limpeza 



·         Encapar travesseiros e colchões com tecidos impermeáveis 



·         Trocar a roupa de cama semanalmente 



·         Lavar roupas guardadas antes do uso 



·         Evitar animais no quarto de dormir 



·         Controlar fatores irritantes como produtos de limpeza com odor forte e principalmente fumaça de cigarro. 


Os testes alérgicos ajudam na identificação dos fatores que desencadeiam a alergia e orientam o tratamento com vacinas antialérgicas específicas (imunoterapia). 

É importante reforçar, no entanto, que quaisquer destas medicações devem ser prescritas pelo médico (alergista,  pediatra ou oftalmologista). Nunca use medicamento por conta própria ou sem ordem médica.


Nossos Endereços

SBP-Sede • R. Santa Clara, 292 - Rio de Janeiro (RJ) - CEP: 22041-012 • 21 2548-1999 

FSBP • Alameda Jaú, 1742 – sala 51 - São Paulo (SP) - CEP: 01420-002 • 11 3068-8595 

SBP-RS • Av. Carlos Gomes, 328/305 - Porto Alegre (RS) - CEP: 90480-000 • 51 3328-9270 / 9520