Aspiração de corpo estranho

Departamento Científico de Segurança

  • A aspiração de corpo estranho é a entrada acidental de um objeto ou parte dele na via respiratória, causando obstrução parcial ou total da entrada de ar. Ocorre principalmente em bebês e crianças pequenas (84% em menores de 5 anos), pois exploram o mundo, costumam levar objetos à boca, são muito ativas enquanto comem e não têm capacidade para mastigar alimentos de forma completa. A gravidade dependerá do grau de obstrução que o objeto causou. Um episódio testemunhado que envolve engasgo, seguido de acesso de tosse, muitas vezes acompanhada de lábios roxos (principalmente em uma criança previamente saudável), é bastante sugestivo de aspiração.

  • Certas características, incluindo forma, tamanho e consistência (de certos brinquedos e alimentos) aumentam o seu potencial para causar obstrução. Os objetos mais comumente aspirados são: alimentos (pipoca, nozes, amendoim, milho, feijão, salsichas e ossos ou fragmentos de ossos), peças de brinquedos, bolinhas, moedas, tampas de canetas, tachinhas, pinos, clipes de papel, unhas, parafusos, balas e bexigas (essa última, geralmente fatal). Por isso, fique atento: os brinquedos colocados à disposição devem ser suficientemente grandes, com pelo menos 3cm de diâmetro e 6cm de comprimento, para que não possam ser engolidos ou aspirados.

  • Assim que ocorre o engasgo, há uma tosse reflexa na tentativa de expulsar o objeto da via aérea. Se ocorre a aspiração e o objeto não fez obstrução completa da via aérea, geralmente ocorre uma dificuldade respiratória, respiração ruidosa (estridor), lábios roxos, chiado. Nesse caso, não tente retirar o objeto e leve a criança imediatamente ao hospital.  Atenção: nesses casos ao tentar retirar o objeto com dedos (às cegas na boca), chacoalhando a criança ou batendo nas costas, por exemplo, pode-se fazer com que o objeto se movimente e obstrua completamente a via aérea. É importante observar a evolução do quadro, pois após esses sinais iniciais, pode haver um período de horas a semanas de pouco ou nenhum sintoma, quando eles reaparecem. Importante: se em algum momento a aspiração bloquear completamente a entrada de ar, será possível perceber que a criança não consegue emitir nenhum som, nem tossir. Trata-se de uma situação de extrema urgência, com risco de morte imediata. Nesses casos, o pai ou responsável deve realizar as manobras de desobstrução, conforme a idade da criança. 

  • Se a criança tiver menos de 1 ano, o pai ou responsável deve apoiar o bebê no braço, com a cabeça mais abaixo que o corpo, tendo o cuidado de manter a boca do bebê aberta. Em seguida, deve aplicar cinco batidas com o “calcanhar” da mão nas costas do bebê, na região entre as escápulas. Depois, virar o bebê com a barriga para cima, mantendo a inclinação original e a boca aberta, e iniciar cinco compressões no osso do peito da criança, logo abaixo da linha imaginária traçada entre os mamilos. Repita esse ciclo até o bebê expelir o objeto ou desmaiar.

  • Nos bebês maiores de 1 ano, recomenda-se a Manobra de Heimlich. Para tanto, o pai ou responsável deve se posicionar atrás da criança, avisando-a da ajuda e iniciar as compressões. Depois, apoiar a mão fechada em punho, encoberta pela outra, entre o umbigo e a extremidade inferior do osso do peito da criança e realizar compressões em trancos para dentro e para cima, até que a criança consiga expelir o objeto ou desmaie.

  • Caso a criança, maior ou menor de 1 ano, ficar inconsciente são recomendados os seguintes passos:

    1) Acionar um serviço de emergência (se estiver sozinho, sem acesso a um telefone celular, deixe a criança e vá até um telefone; após, retorne rapidamente);

    2) Colocar a criança deitada e fazer duas respirações boca a boca;

    3) Mesmo expelindo o corpo estranho com as manobras, levar a criança a um serviço de emergência;

    4) Abrir a boca e ver se o objeto foi expelido. Se não, faça 30 compressões no tórax e abrir a boca novamente. Se o objeto tiver sido expelido, retire-o cuidadosamente com os dedos em forma de pinça e faça mais duas ventilações boca a boca. Repetir o procedimento até o socorro chegar ou a criança voltar a respirar.

  • Há uma série de medidas preventivas que podem ser tomadas em casa ou na escola e que podem ajudar a evitar esses problemas. Entre elas, estão:

    1) Ensinar a criança a não colocar pequenos objetos entre os lábios ou na boca;

    2) Certificar-se de que os brinquedos estão em boas condições e são adequados à idade;

    3) Comprar brinquedos adequados à idade da criança e certificados pelo INMETRO;

    4) Oferecer alimentos bem cortados e em pequenas quantidades para evitar que as crianças coloquem muita comida na boca;

    5) Ensinar as crianças a mastigar bem seus alimentos. Sentar-se e comer com elas para dar o exemplo, sendo um modelo positivo, mastigando bem os alimentos e comendo lentamente;

    6) Não dar alimentos duros e crocantes (como pipocas, doces duros, amendoins, etc.) a uma criança até que tenham pelo menos 4 anos de idade;

    7) Ter muito cuidado com alimentos que possam se amoldar na via aérea (uvas, tomate cereja);

    8) Certificar-se de que a criança esteja acordada e bem alerta antes de oferecer comida;

    9) Nunca dar ou deixar que a criança ou bebê se alimente deitado;

    10) Não oferecer nada para a criança comer ou beber enquanto estiverem andando, brincando, falando, chorando, etc.

Nossos Endereços

SBP-Sede • R. Santa Clara, 292 - Rio de Janeiro (RJ) - CEP: 22041-012 • 21 2548-1999 

FSBP • Alameda Jaú, 1742 – sala 51 - São Paulo (SP) - CEP: 01420-002 • 11 3068-8595 / 8618 / 8901 / 8675 • Fax: 3081-6892 

SBP-RS • R. Carlos Gomes, 328/305 - Porto Alegre (RS) - CEP: 90480-000 • 51 3328-9270 / 9520