carregando...

Pediatria do Desenvolvimento e Comportamento se fortalece e Brasil tem destaque

Reportagem 28/01/2016
Renato Coelho, Clarissa Noer, Ricardo Halpern e Marcio Layser
Renato Coelho, Clarissa Noer, Ricardo Halpern e Marcio Layser

“A Área de Desenvolvimento e Comportamento tem se firmado no mundo e o Brasil está entre os protagonistas desse fortalecimento”, salienta Ricardo Halpern, presidente do Departamento Científico responsável pelo trabalho na SBP. Prova disso, foi o I Congresso Internacional, realizado em dezembro, em Istambul, na Turquia, com cerca de 600 participantes, 55 países e frutos como a criação da Associação Internacional, com presença brasileira. Além disso, ficou decidido que o terceiro encontro mundial, em 2019, será em Porto Alegre (RS), em conjunto com o Congresso Brasileiro de Pediatria. 

“Até algum tempo, somente países como Estados Unidos, Inglaterra e Canadá tinham a Área desenvolvida. Mas a Sociedade tem trabalhado muito no último período, vimos caminhando a passos seguros”, assinala o dr. Ricardo, já eleito para a presidência da entidade mundial nos mandatos de 2017/2019, juntamente com a indiana Vibha Krishnamurthy, e 2019/2021, com Mphele Mulandzi, da África do Sul.

 O evento, presidido pela dra. Ilgi Ertem, da Turquia, teve como tema “Acessando dificuldades e transtornos do desenvolvimento na primeira infância”. Dentre os palestrantes, estavam professores de Universidades do Canadá, Reino Unido, Austrália, Estados Unidos. Pela delegação brasileira, estavam também Renato Coelho, Clarissa Noer, Márcio Leyser e Fernanda Jordão Pinto Marques.

 Atividades sobre crianças com necessidades especiais, suas famílias e intervenção precoce foram coordenadas por Ricardo Halpern, Márcio Layser e Renato Coelho. Resultado de sua dissertação de mestrado na Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre, Renato Coelho expôs seu trabalho sobre “Avaliação do Desenvolvimento Infantil por instrumento de vigilância”.

 O Congresso foi iniciativa da Universidade de Ankara, com patrocínio do Unicef e apoio da Organização Mundial de Saúde (OMS), do International Children’s Center, da Society for Developmental & Behavior Pediatrics (SDBP), do Ministério da Saúde da Turquia, dentre outras instituições.

 Vigilância e monitorização universal

Dentre os destaques, está a apresentação de um instrumento de vigilância e monitorização universal, o Global Monitoring for Child Development (GMDC). Desenvolvido na Universidade de Ankara, com o apoio de equipes dos Estados Unidos, Índia, Argentina e África do Sul, envolveu dez anos de pesquisa e 20.100 crianças em países etnicamente e culturalmente diferentes, em dez linguagens distintas. O conteúdo é baseado na teoria bioecológica do desenvolvimento, com abordagem centrada na família e guiada pelas referências da OMS.

A ideia é que o GMCD “possa ser utilizado em atenção primária para auxiliar a identificação precoce dos problemas de Desenvolvimento”, informa o dr. Ricardo Halpern. O conteúdo será disponibilizado na internet em inglês e espanhol. “Estamos trabalhando para que, em breve, seja traduzido também para o português”, enfatiza.

A nova entidade

A Associação Internacional de Pediatria do Desenvolvimento (IDPA) tem como centro os interesses dos países em desenvolvimento, que terão comitês em diversas áreas, dentre as quais “crianças com necessidades especiais”, “enfermidades crônicas”, “recém-nascido de alto risco”, “prevenção do abuso infantil” e “suporte ao desenvolvimento infantil”. O Conselho da entidade (gestão 2015-2019) é integrado por representantes dos cinco continentes: Ilgi Ertem (Turquia), Ghassan Issa (Líbano e Oriente Médio), Vibha Krishmaworthy (Ásia do Sul), Mphele Mulandzi (África do Sul), Alexis Reyes (das Filipinas, representando a região do Pacífico), Nenad Rudic   (da Sérvia, representando a Europa) e Ricardo Halpern (representando o Brasil e as Américas como um todo).

Ricardo Halpern, Mphele Mulandzi e Renato Coelho
Ricardo Halpern, Mphele Mulandzi e Renato Coelho