carregando...

Curso prático para famílias educarem sem violência será realizado em todo o País

SBP em Ação 04/02/2016
Rachel-niskier
Dra. Rachel Niskier Sanchez, assessora para campanhas da SBP

 

A realização de curso prático a fim de estimular a educação sem violência é um dos planos de ação para esse ano da Rede Não Bata, Eduque (RNBE), que conta com participação da SBP no grupo gestor. “O material vai incorporar novos temas a partir das publicações mais recentes sobre Desenvolvimento e Comportamento das crianças e adolescentes, conforme decidido em reunião virtual, em janeiro”, informa Rachel Niskier, assessora para campanhas da SBP.

As oficinas, direcionadas às famílias e abordando os aspectos do crescimento e desenvolvimento, serão realizadas em forma de “rodas de conversa”. O planejamento ocorrerá de acordo com a demanda espontânea das entidades simpatizantes do tema. “As filiadas da SBP podem fazer a solicitação para o seu estado”, salienta a dra. Rachel. O projeto conta com recursos internacionais da ONG Save the Children.

Metas até 2020

A reunião de planejamento estratégico da RNBE ocorrida em setembro passado traçou as metas para os próximos cinco anos. Entre as ações propostas está o reforço das comissões nos estados, a elaboração e divulgação do material informativo sobre a Lei 13.010/2014, seminários abordando as competências das instituições do Sistema de Garantia de Direitos para implementação de políticas públicas, entre outros.

“Sempre nos reportamos à Lei Menino Bernardo para mostrar sua importância na mudança cultural que precisa ocorrer nas famílias para a educação dos filhos. O ato de violência desrespeita os direitos fundamentais das crianças e adolescentes. Infelizmente ainda ocorre em muitos lares brasileiros e a Lei nos motiva a trabalhar, contribuir para uma nova realidade”, frisa Rachel Niskier.

A pediatra reforça que a proposta da Rede caminha ao lado da campanha “Violência é covardia. As marcas ficam na sociedade”, desenvolvida desde o ano 2000 pela SBP. “Trabalhamos com um enfoque positivo, não com a culpabilização dos pais, reconhecemos que a educação dos filhos é uma tarefa difícil e complexa. A Rede propõe atitudes educativas – que não utilizam a violência física e/ou psicológica – e que promovem o desenvolvimento físico, emocional e social dos filhos de forma saudável e participativa” explica a dra. Rachel Niskier, lembrando que o site Conversando com o Pediatra traz diversas orientações aos pais.

A Rede Não Bata, Eduque é formada por várias instituições: Promundo, Proteger, Themis Assessoria Jurídica, Fundação Xuxa Meneghel, Instituto NOOS, Centro de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente (Cedeca–RJ), Andi Comunicação e Direitos, Plan Internacional, Abrinq e SBP.

nao-bata-eduque
Da esquerda para a direita, José Claudio (consultor), Márcia Oliveira (coord. RNBE), Ana Paula (Fund. Xuxa Meneghel), Pedro Pereira (Cedeca-RJ), Carlos Zuma (Inst. Noos), Andréia Lavelli (Abrinq), Lívia de Souza (Themis Assessoria), Vanessa Fonseca (Promundo), Flávio Debique (Plan Internacional), Eleonora Ramos (Proteger) e Rachel Niskier (SBP)