Acne na Adolescência

Departamento Científico de Dermatologia

  • A acne é uma doença de pele bastante frequente que acomete cerca de 80% dos adolescentes, entre os 11 e 20 anos de idade. Os hormônios sexuais, que começam a ser produzidos na puberdade, são os principais responsáveis pelas alterações da pele, que se torna oleosa, com cravos, espinhas, nódulos e cicatrizes. A acne aparece principalmente na face, mas também nas costas, ombros e peito.

    O mecanismo pelo qual a acne ocorre envolve quatro pontos principais: aumento da secreção sebácea; obstrução dos poros; proliferação bacteriana; e inflamação.

  • A acne pode ser classificada em não inflamatória ou grau I (quando predominam os cravos) e acne inflamatória, quando começam as lesões mais avermelhadas e com formação de pus, nódulos e cicatrizes, que podem ser classificadas em graus II, III e IV, dependendo da gravidade do quadro. O controle da acne é recomendado não só por razões estéticas (melhora da aparência geral), como também para preservar a saúde psíquica do adolescente e prevenir as cicatrizes (marcas da acne) difíceis de corrigir na idade adulta.

  • É importante lembrar que existem situações que podem piorar a acne, como a utilização de medicamentos (anticonvulsivantes, corticosteroides, lítio, algumas pílulas anticoncepcionais, vitamina B12), anabolizantes e determinados cosméticos. Note-se ainda que a acne pode ser indicativa de alguma alteração hormonal (síndrome dos ovários policísticos, hiperplasia de suprarrenal, puberdade precoce, etc.). Por isso, o tratamento deve ser acompanhado por um médico, que terá as condições de escolher adequadamente a medicação para cada caso, e investigar se julgar necessário.

  • A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), por meio de seu Departamento de Dermatologia, tem recomendações fáceis de seguir por qualquer pessoa. Primeiro, lavar o rosto apenas duas vezes ao dia com produtos específicos. Lavar mais vezes pode irritar a pele ou deixá-la mais oleosa, porque o seu corpo entende que, quanto mais se lava, mais oleosidade ele deve produzir. Evitar o hábito de beliscar as espinhas (acne), pois isso pode deixar marcas permanentes. Finalmente, sempre utilizar filtro solar e maquiagens adequadas para pele oleosa. Em caso de dúvidas, procure um médico para ter a melhor orientação para prevenir e tratar o problema. 

  • Sim. Sabe-se que o surgimento da acne tem grande influência genética. Desta maneira, se os pais ou irmãos tiveram acne grave, indica-se o acompanhamento e tratamento logo no início dos sintomas, a fim de se promover um melhor controle e evitar cicatrizes.

  • Sim. No entanto, esse procedimento deve ser feito por profissionais treinados, com limpeza adequada, sem manipulação excessiva. Ressalte-se que este é um tratamento coadjuvante, ou seja, feito de maneira conjunta com o tratamento medicamentoso.

  • Depende. Num primeiro momento o Sol pode atuar de maneira a “secar” mais rapidamente as lesões. Contudo, a sudorese excessiva e a utilização de filtros oleosos ou oclusivos podem piorar sua manifestação. 

  • Depende. A acne é muito mais influenciada pelas alterações hormonais do que pela alimentação. Existem estudos que mostram que determinadas dietas podem piorar a acne, mas dietas restritivas também não parecem ser benéficas. Conclusão: cada caso deve ser analisado isoladamente e uma alimentação saudável e balanceada é encorajada. Ou seja, comer um chocolate de vez em quando está liberado, sem exageros.

  • Sim. Quando estamos estressados, produzimos maior quantidade de cortisol e este hormônio pode agravar a acne. Por exemplo, no período pré-menstrual, quando ocorre maior oscilação hormonal (às vezes também no meio do ciclo) é comum as adolescentes reclamarem que, além da TPM (tensão pré-menstrual), aparecem mais espinhas.

  • Durante o tratamento, ao médico cabe a compreensão, o carinho e a empatia para com o seu paciente. Por sua vez, o paciente deve ser cooperativo e depositar sua confiança no tratamento da acne. Deve-se estar ciente e compreender que essa doença é causada pela ação dos hormônios, a qual faz parte do processo normal de amadurecimento. Portanto, não há como fazê-la “desaparecer” da noite para o dia. O que se busca nesse processo é controlar os efeitos da acne e minimizar as cicatrizes que restarão até que tudo seja completado. 

Nossos Endereços

SBP-Sede • R. Santa Clara, 292 - Rio de Janeiro (RJ) - CEP: 22041-012 • 21 2548-1999 

FSBP • Alameda Jaú, 1742 – sala 51 - São Paulo (SP) - CEP: 01420-002 • 11 3068-8595 

SBP-RS • Av. Carlos Gomes, 328/305 - Porto Alegre (RS) - CEP: 90480-000 • 51 3328-9270 / 9520