Refluxo gastroesofágico

Departamento Científico de Gastroenterologia

  • O refluxo gastroesofágico é a volta do conteúdo do estômago para o esôfago. Entre eles existe uma região que tem como função controlar este retorno, abrindo somente para a passagem dos alimentos, quando são engolidos. Algumas vezes, essa região se abre, independentemente das deglutições, permitindo a passagem do conteúdo do estômago para o esôfago. Isto é o que se classifica como “refluxo gastroesofágico”. Como no estômago existe além dos alimentos o ácido clorídrico, necessário para a digestão, o refluxo pode ser ácido, principalmente quando não há o alimento. Esse conteúdo do estômago não deve permanecer no esôfago porque pode ocasionar lesões.

  • Sim. Todas as pessoas (adultos e crianças) apresentam um pouco de refluxo em certos momentos do dia, principalmente após as refeições. São períodos curtos, considerados normais. Durante os primeiros meses de vida, os bebês comem com muita frequência, estando quase sempre no período “após a refeição”. Por terem alimentação apenas líquida (leite) e, principalmente nos amamentados exclusivamente ao seio, ingerirem grande volume, apresentam mais episódios de refluxo, que pode ficar no esôfago, ir até a garganta ou sair pela boca. Neste caso, teremos o vômito ou a regurgitação.  Estes episódios aumentam muito entre dois e quatro meses e diminuem com o crescimento; a maioria absoluta resolve até o primeiro ano de vida.

  • Sim. É normal vomitar e regurgitar nos primeiros meses de vida. Se a criança estiver ganhando peso adequadamente e não tiver sintomas são chamados “vomitadores felizes”, pois vomitam ou regurgitam e estão sempre bem, sem sintomas e crescendo normalmente. Portanto, o refluxo é essencialmente uma consequência de mecanismos normais de acontecimentos normais da vida do bebê e em alguns casos, a minoria merece tratamento.

  • Todos os bebês podem ter facilidade de regurgitar, ou seja, retornar o que está no estomago para a boca. As famílias chamam de “golfadas”, quando são em pequena quantidade e, às vezes, nem implicam em esforço da criança para este retorno. Se esse esforço surge geralmente são chamados de vômitos.  Estas duas manifestações podem ser chamadas de refluxo.

  • A grande maioria dos bebês regurgitam, sobretudo os menores de seis meses, sendo absolutamente normal nesta fase do desenvolvimento. Isto faz com que usemos o nome de Refluxo Fisiológico ou ainda Regurgitação do lactente. Esse processo acontece porque ele ainda apresenta imaturidade nos principais mecanismos anti-regurgitação, o que se associa ao fato de ficar na posição mais deitada e sempre ingerir maior quantidade ou volume de alimentos.

  • O refluxo se torna doença quando começa a atrapalhar o crescimento e o desenvolvimento normal da criança ou quando piora a qualidade de vida do lactente. Nestas situações, sua presença está relacionada à perda de peso ou ainda dificuldades para ganho de peso, choro, irritabilidade, recusa alimentar, anemia e vômitos com sangue. Todos esses pontos podem ser sintomas de refluxo-doença. Isso acontece porque o ácido que volta do estômago está vencendo os mecanismos de defesa e está fazendo mal para o esôfago ou provocando alguma lesão e desencadeando os sintomas.

  • A presença do ácido no esôfago por muito tempo pode ocasionar sua inflamação (esofagite), que pode se manifestar com dor, queimação (azia) e provocar vômito com sangue. Há relatos de episódios de dor intensa, o que impede a criança de comer. Detalhe: se retornar este conteúdo ácido até a garganta ou a região de entrada do ar para respiração, a criança pode desenvolver uma pneumonia de aspiração. Assim, o refluxo-doença, ou a “doença do refluxo gastroesofágico”, ao contrário do refluxo fisiológico, necessita de tratamento e, em casos específicos, exames diagnósticos.

  • Existem alguns grupos com maior risco para apresentar a doença do refluxo (DRGE). Entre eles, estão os formados por crianças que tem problemas neurológicos, prematuros, obesos e portadores de doenças pulmonares, como a fibrose cística ou displasia broncopulmonar. Também estão mais suscetíveis os que apresentam ou tiveram malformações congênitas do sistema digestório (hérnia hiatal, hérnia diafragmática, atresia esofágica, fistula traqueoesofágica).

  • Caso seu filho se sinta desconfortável, mais choroso que o usual, ganhe pouco peso ou apresente outro sinal de sofrimento, leve ao pediatra, o médico mais indicado para avaliar a situação e fazer o seu diagnóstico. É importante lembrar que existem outras causas de choro e irritabilidade que podem coincidir com a presença de golfadas ou vômitos. Isso apenas reforça a necessidade de levar a criança para uma consulta com o pediatra para tirar todas as dúvidas e receber os esclarecimentos necessários. 

  • Se a doença do refluxo gastroesofágico se confirmar, o tratamento deverá feito com medicações que aliviem as dores, diminuindo a produção do ácido e cicatrizando o que está inflamado. Porém, cada criança deverá ser avaliada pelo seu médico individualmente, pois há diferentes tipo de tratamento e de resposta.  Não inicie ou faça tratamentos sem a supervisão de seu pediatra!

Nossos Endereços

SBP-Sede • R. Santa Clara, 292 - Rio de Janeiro (RJ) - CEP: 22041-012 • 21 2548-1999 

FSBP • Alameda Jaú, 1742 – sala 51 - São Paulo (SP) - CEP: 01420-002 • 11 3068-8595 

SBP-RS • Av. Carlos Gomes, 328/305 - Porto Alegre (RS) - CEP: 90480-000 • 51 3328-9270 / 9520