O que os adultos precisam saber sobre dengue nas crianças

 Departamento Científico de Infectologia

  • A dengue é uma doença causada por um vírus, transmitido ao ser humano através da picada de mosquito. Existem quatro tipos diferentes de vírus da dengue (DEN1, DEN2, DEN3 e DEN4). Por conta disso, uma mesma pessoa pode ser infectada quatro vezes ao longo da vida. O mosquito transmissor do vírus da dengue é o Aedes aegypti, o mesmo que também pode transmitir chikungunya, zika e febre amarela.

  • Dengue é uma doença febril, como muitas outras que acometem frequentemente nas crianças. Além da febre, que costuma ser elevada e não persistir por mais de sete dias, elas podem apresentar dor de cabeça, principalmente “atrás dos olhos”, dores no corpo, sensação de moleza, diarreia, vômitos e surgimento de manchas avermelhadas na pele (geralmente após o terceiro dia do início da febre). Nos bebês, que ainda não sabem se expressar com palavras, a suspeita de dengue é mais difícil. Nesses casos, chama atenção quadros de febre elevada e persistente, prostração ou irritabilidade intensa, com choro fácil, como se estivesse sentindo dor, e ainda recusa da alimentação, diarreia e vômitos.

  • Se uma criança apresentar sintomas de dengue, o médico solicitará alguns exames de sangue. Nessa etapa da investigação, com os resultados ele consegue fazer o diagnóstico exame, diferenciando a dengue de outras doenças que causam febre. Os tipos de exames mais comuns são o hemograma e os sorológicos para confirmação da doença.

  • É preciso ficar atento para alguns sinais de alarme, que ajudam a identificar os casos mais graves. Devem procurar assistência médica imediata as crianças com suspeita de dengue que apresentem dor abdominal forte e persistente, vômitos recorrentes, sangramentos, tontura ou desmaio, respiração rápida.

  • Sim. Num segundo episódio de dengue o risco de evoluir para uma forma mais grave da doença é maior. No entanto, isso pode ocorrer já no primeiro episódio. Como são quatro tipos de vírus da dengue (DEN1, DEN2, DEN3 e DEN4), a pessoa pode ter a doença mais de uma vez ao longo da vida.

  • Nem sempre. Nos casos graves, embora a febre possa ter desaparecido, a criança não apresenta sinais de melhora.

  • Na criança com dengue a febre pode ser controlada com o uso de paracetamol ou da dipirona. O AAS (ácido acetilsalicílico) e os anti-inflamatórios são contraindicados. Não devem ser utilizados, pois aumentam o risco de ocorrência de sangramentos. Além disso, a criança deve ser incentivada a ingerir bastante líquidos. 

  • Dengue é transmitida por meio da picada do mosquito. O contágio não ocorre de uma pessoa para outra pelo contato da pele ou respiratório. No entanto, como recomendado para outras doenças, a criança não deve retomar as atividades escolares enquanto estiver com febre, abatida, vomitando ou não tiver se recuperado plenamente.

  • O mais importante é eliminar focos de água parada onde o mosquito possa se desenvolver: vasos de plantas, sanitários sem tampa, ralos sem tela protetora, baldes, garrafas, pneus, água detrás da geladeira e ar condicionado. Uma vez por semana é necessário procurar e acabar com esses focos usados pelo mosquito para se desenvolver em sua casa e incentivar que os seus vizinhos façam o mesmo. Leva apenas uma semana para que a larva do mosquito se transforme num mosquito capaz de infectar muitas pessoas. O uso de telas protetoras nas janelas, de mosquiteiros nos berços, de roupas impregnadas com permetrina e de repelentes na pele apropriados para crianças maiores de 6 meses também podem ajudar a proteger.

  • Sim. Há uma vacina para dengue, disponível apenas nas clínicas privadas, que está indicada para aqueles indivíduos moradores de regiões endêmicas para a doença, com idade entre 9 e 45 anos, que já tenham tido dengue anteriormente e sem contraindicações para receber a vacina. Essa vacina se mostrou eficaz para reduzir hospitalizações e casos graves de dengue nos estudos que precederam sua liberação por organismos internacionais, Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e várias sociedades médicas.

Nossos Endereços

SBP-Sede • R. Santa Clara, 292 - Rio de Janeiro (RJ) - CEP: 22041-012 • 21 2548-1999 

FSBP • Alameda Jaú, 1742 – sala 51 - São Paulo (SP) - CEP: 01420-002 • 11 3068-8595 

SBP-RS • Av. Carlos Gomes, 328/305 - Porto Alegre (RS) - CEP: 90480-000 • 51 3328-9270 / 9520