Associe-se

Microcefalia será debatida no 19° Fórum da Academia Brasileira de Pediatria, em Salvador (BA)

19º Fórum ABP - Salvador

Há dois anos o aumento no número de casso de microcefalia assustou o Brasil. O crescimento da doença ocorreu à medida que uma epidemia de zika vírus se espalhou pelo país. Em pouco mais de um ano, mais de dois mil casos foram registrados oficialmente apavorando pais, intrigando médicos e mobilizando o governo.

De lá para cá, foram poucos os avanços científicos capazes de esmiuçar a relação do zika vírus com a microcefalia, mas não há dúvidas que ela existe. E no meio de tantas incertezas uma pergunta paira entre a sociedade: qual o futuro das crianças com microcefalia?

Não existe resposta simples. Mas se tivesse que resumir em uma frase, a neurologista pediátrica Emília Katiane afirmaria que o futuro dessas crianças está no esforço coletivo de alcançar diagnósticos e tratamentos precoces e no compromisso do governo e da sociedade em incluir socialmente essas crianças.

São dois grandes desafios. E estes desafios serão debatidos no 19° Fórum da Academia Brasileira de Pediatria, em março, em Salvador, durante painel em que a neuropediatra é palestrante.

A microcefalia é um sinal de que algo não vai bem com o cérebro. As primárias, de causa genética, provocam cabeças menores e mais comprometimentos cognitivos do que motores. Já a secundária, causada por uma infecção, caso desse surto recente que viveu o Brasil, ocorre quando um vírus lesiona o cérebro e impede seu desenvolvimento normal.

A doença não tem cura e o tratamento ideal inclui sessões de fonoaudiologia, fisioterapia e terapia ocupacional pelo menos três vezes por semana para estimular a criança, diminuir o retardo mental e também o atraso do desenvolvimento crescimento. O problema, segunda a dra. Emília, é que boa parte dos estados não têm a estrutura básica para atender essas necessidades.

“Conseguir fazer uma ressonância aqui na Bahia, por exemplo, em um paciente com menos de cinco anos, que precisa de sedação, é uma dificuldade. Tem pacientes que levam quase um ano esperando”, explica a médica. Essa demora é debilitante. Em casos de microcefalia, o diagnóstico precoce faz toda a diferença no desenvolvimento da criança.

Segundo a dra. Emília, o pediatra, além de trabalhar como um coordenador da equipe multidisciplinar que envolve fonoaudiólogos, neurologistas e fisioterapeutas, para citar algumas especialidades, tem papel fundamental no acolhimento da família.

Superados os desafios do diagnóstico e da intervenção precoce, é hora de acolher as crianças na sociedade. “O preconceito é um problema. É muito comum vermos pais que impedem seus filhos saudáveis de se aproximarem de crianças com microcefalia. O preconceito é fruto da falta de informação. A sociedade precisa aceitar e querer fazer alguma coisa. O poder público também. Não pode jogar para debaixo do tapete e fingir que está fazendo”, afirma a pediatra.

Para a dra. Emília, não adianta o poder público fazer lei que obriga a escola a matricular essas crianças, se as instituições não tiverem estiverem preparadas. É preciso treinar professores e auxiliares para tratar esses alunos especiais em suas individualidades.

O futuro das crianças com microcefalia será tema do painel “Meio Ambiente, Saneamento e Arboviroses”, que contará ainda com especialistas para debaterem “O saneamento no Brasil e sua influência nas Arboviroses” e a “Divisão de responsabilidades no tratamento e prevenção: Estado e sociedade civil, qual o papel de cada setor?”.

Nossos Endereços

SBP-Sede • R. Santa Clara, 292 - Rio de Janeiro (RJ) - CEP: 22041-012 • 21 2548-1999 • Fax: 21 2547-3567 

FSBP • Alameda Jaú, 1742 – sala 51 - São Paulo (SP) - CEP: 01420-002 • 11 3068-8595 / 8618 / 8901 / 8675 • Fax: 3081-6892 

SBP-RS • R. Carlos Gomes, 328/305 - Porto Alegre (RS) - CEP: 90480-000 • 51 3328-9270 / 9520 

Memorial • Rua Cosme Velho, 381 - Cosme Velho (RJ) - CEP: 22241-125 • 21 2245-3110