Ano Novo, volta às aulas

Por dr. José Hugo de Lins Pessoa  

Começa um novo ano escolar, do curso fundamental aos cursos superiores os estudantes voltam às aulas. Ultrapassar o umbral de uma Faculdade de Medicina para assistir à primeira aula é um momento marcante na vida do jovem que escolheu ser médico. Mas, afinal, o que é ser médico? Existem várias respostas para essa questão. Ser médico é assumir um compromisso, utilizar os seus conhecimentos científicos e sua arte para cuidar da saúde das pessoas e da comunidade, exercer sua profissão com responsabilidade e ética, e, desse modo, ajudar o homem a enfrentar o sofrimento da doença. 

As doenças ameaçam o ser humano desde os tempos iniciais, e todos sabemos a dor e os riscos de adoecer. O trabalho do médico é essencial para a sociedade, um dia cada de nós precisa de um deles. Para ser médico o estudante de medicina necessita aprender a ciência médica, realizar estágios práticos e formação ética. Após o curso, ele vai exercer a profissão em uma das vertentes do sistema de saúde.    

O sistema de saúde de uma nação quando eficiente enriquece a população no vigor de sua plena autenticidade. A construção do edifício da saúde tem sido, historicamente, uma tarefa incompleta no Brasil. Um dos principais tijolos do edifício da saúde são os médicos. Não é possível construir um sistema de saúde sem médicos bem preparados, com condições de trabalho e adequadamente remunerados. As faculdades de medicina têm a grande responsabilidade de formar bons médicos. 

Existem evidências fidedignas que as únicas formas de se conseguir um profissional fundado no conhecimento e na ética, são um bom curso de graduação, e a continuação dessa formação na residência de qualidade. Atualmente, o Brasil é o segundo país do mundo em número de faculdades de medicina (mais de 340). Entretanto, questiona-se a capacidade de inúmeras delas para a formação de bons profissionais. Inclusive, até já surgiram propostas da exigência de exames aos graduados antes da prática profissional. 

Ainda mais, existem relatos que, desde quando se iniciou a equivocada política de abertura acelerada de faculdades de medicina no país, sem atentar para as necessidades da formação médica, a quantidade, o número de médicos, aumentou significativamente, mas, esse aumento não trouxe os benefícios esperados para a população. Parece que apenas aumentar a quantidade de médicos, sem preocupação com a qualidade da formação e sem atentar com as outras necessidades do sistema de saúde, não é suficiente para melhorar o atendimento médico no país, além de representar mais um grande desperdício humano e financeiro ao país. 

Hoje, quando milhares de novos alunos ingressam nas centenas de escolas médicas do país, no século da revolução tecnológica, na época de grandes transformações na Medicina e na Sociedade, urge rediscutir a questão das faculdades de medicina no Brasil. Nessa discussão, é preciso excluir todos os interesses, políticos ou econômicos, que conflitem com a função principal da existência de uma faculdade de medicina: formar o médico preparado. O exercício da Medicina exige muito mais do que supor, é preciso distinguir entre o que é e o que parece ser.  

Eventos
Nossos Endereços

SBP-Sede • R. Santa Clara, 292 - Rio de Janeiro (RJ) - CEP: 22041-012 • 21 2548-1999 

FSBP • Alameda Jaú, 1742 – sala 51 - São Paulo (SP) - CEP: 01420-002 • 11 3068-8595 

SBP-RS • Av. Carlos Gomes, 328/305 - Porto Alegre (RS) - CEP: 90480-000 • 51 3328-9270 / 9520