Pediatras reforçam orientações sobre parto normal na água

postado 06/17/2020

Para alertar sobre riscos e benefícios do parto normal e nascimento dentro da água, o Departamento Científico de Neonatologia da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) lançou nesta semana um documento com orientações sobre o assunto. Na publicação, a entidade reforça que o atendimento à gestante e ao recém-nascido deve acontecer sempre em unidade de saúde com estrutura estabelecida para suprir – de imediato – eventuais intercorrências obstétricas.

Além disso, conforme destaca o texto da SBP, devido à razoável possibilidade de ocorrem emergências não previstas, mesmo em gestantes classificadas como de baixo risco, é indispensável a presença do pediatra, com equipe multidisciplinar composta também por obstetra, anestesiologista e enfermeiro obstétrico em todo nascimento.

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR O DOCUMENTO

EVIDÊNCIAS – De acordo com a SBP, ainda há limitações de estudos relativos à imersão na água durante o trabalho de parto. Há grande heterogeneidade entre as pesquisas e a maioria foi desenvolvida em um único centro, com amostras pequenas, limitando assim a interpretação dos resultados.

Segundo as esparsas evidências disponíveis, os benefícios dessa modalidade de assistência estão concentrados na redução da dor, durante o primeiro estágio do trabalho de parto, propiciando diminuição do uso de analgesia e melhora da satisfação das mulheres submetidas à imersão. Sobre o segundo período do trabalho de parto, são insuficientes as informações que levem à conclusão sobre benefícios da imersão na água.

No geral, as revisões sistemáticas não observaram aumento na frequência de resultados adversos. Porém, em contrapartida, faltam dados sobre segurança e eficácia desta prática para o recém-nascido, bem como sobre resultados em longo prazo.

Por isso, diferentes sociedades científicas internacionais e nacionais recomendam que, em função da existência de casos com complicações graves ou com evolução fatal já documentados, esta modalidade de parto deva acontecer apenas no contexto de ensaio clínico controlado. “A instituição que optar por oferecer a imersão em água deve estabelecer protocolos rigorosos”, pontua o texto.

Com base nesse consenso da comunidade científica internacional e nas orientações do Programa de Reanimação Neonatal da SBP, os especialistas do Departamento Científico de Neonatologia da SBP indicam que:

  • O risco de sequelas e mortes nos primeiros cinco anos de vida está concentrado no período neonatal;
  • As gestantes devem ser informadas da inexistência de evidências cientificas de alta qualidade sobre parto e nascimento na modalidade de imersão na água.
  • A assistência ao parto deve acontecer em unidade de saúde com estrutura adequada;
  • Há a necessidade absoluta da presença do médico pediatra no nascimento, uma vez que as dificuldades do processo exigem expertise e prontidão na assistência perinatal;
  • Nos partos de risco, o neonatologista é o profissional mais capacitado para abordagem dos problemas em potencial, como prematuridade, asfixia perinatal, infecção e malformações congênitas, principais causas de mortes na infância;

Para mais informações sobre boas práticas de assistência ao recém-nascido e à gestante, acesse o documento científico “Nascimento Seguro” da SBP.


Eventos
Nossos Endereços

SBP-Sede • R. Santa Clara, 292 - Rio de Janeiro (RJ) - CEP: 22041-012 • 21 2548-1999 

FSBP • Alameda Jaú, 1742 – sala 51 - São Paulo (SP) - CEP: 01420-002 • 11 3068-8595 

SBP-RS • Av. Carlos Gomes, 328/305 - Porto Alegre (RS) - CEP: 90480-000 • 51 3328-9270 / 9520