Associe-se

Pediatras participam de aula sobre Sinais precoces de risco para autismo

Aprimorar o olhar do pediatra para identificar sinais precoces de risco para o espectro autista e indicar os tratamentos o quanto antes. Foi com esse objetivo que a psicanalista francesa Marie Christine Laznik ministrou uma aula para pediatras na última sexta-feira (18). A psicanalista apresentou dados de uma pesquisa coordenada por ela na França e iniciada com mais de 12 mil bebês, mostrando que já é possível identificar sinais de risco em crianças a partir dos dois meses de vida.

A atividade gratuita foi promovida pela Sociedade Baiana de Pediatria (Sobape) e pelo Centro de Referência Estadual para Pessoas com Transtorno do Espectro Autista (CRE-TEA) - Novo Mundo, em parceria com a ONG Viva a Infância e o Projeto Hora da Criança. A aula, na sede do CRE-TEA, no Campo Grande, reuniu quase 90 profissionais, que levaram fraldas descartáveis para serem doadas ao Hospital Martagão Gesteira.

A presidente da Sobape, a pediatra Dolores Fernandez, agradeceu a disponibilidade da psicanalista de vir à Bahia capacitar os pediatras para que as intervenções necessárias sejam feitas o mais breve possível. “Durante muito tempo, os transtornos não eram tratados de forma adequada e havia muita discriminação e preconceito com os indivíduos. No caso das crianças, que eram vistas como adultos pequenos, isso era ainda mais acentuado e não se considerava suas particularidades e as diferenças das faixas etárias”, lembra, chamando a atenção para a prevalência do espectro autista no mundo: de 1 para cada 88 pessoas.

Dolores Fernandez fez questão de frisar que “a professora Marie Christine é uma verdadeira embaixatriz das crianças portadoras do TEA, levantando no mundo essa bandeira da identificação cada vez mais precoce e capacitando os profissionais para esse olhar mais atento e mais apurado”.

DISCUSSÃO DE CASOS - Durante a aula, quando os pediatras puderam discutir casos e tirar dúvidas, Marie Christine Laznik falou sobre a pesquisa francesa e o treinamento dos pediatras, apresentou dados sobre incidência do autismo e sobre probabilidade de irmãos de autistas desenvolverem o transtorno, explicou testes para diferentes faixas etárias e mostrou aos pediatras vídeos com avaliação dos bebês.

Laznik citou o trabalho de vários estudiosos na área, orientou os pediatras sobre a abordagem com a família da criança e falou acerca dos testes práticos que devem ser feitos em consultório desde as primeiras avaliações de rotina, sobretudo o teste do olhar nos olhos, que é uma das maiores dificuldades do autista. Segundo a pesquisadora, quanto mais cedo é a avaliação, mais chances de sucesso com o tratamento por conta da maior plasticidade cerebral.

“Há muito tempo que esta é a minha meta no Brasil. Na França, nós fizemos uma pesquisa durante 15 anos com 600 médicos da rede pública e isso mudou de maneira radical o atendimento a bebês com risco de autismo”, disse Laznik, reforçando a importância do acompanhamento e tratamento dos bebês, como forma de iniciar a mudança do destino dessas crianças antes do primeiro ano de vida, como defende o pesquisador brasileiro Ami Klin.

Laznik frisou a importância da prevenção das doenças, inclusive sob o ponto de vista da economia, o que tem alto impacto na saúde pública. “Na França, o estado tem todo o interesse em economizar porque arca com as consequências dos tratamentos no sistema público”, pontuou.

Eventos
Nossos Endereços

SBP-Sede • R. Santa Clara, 292 - Rio de Janeiro (RJ) - CEP: 22041-012 • 21 2548-1999 

FSBP • Alameda Jaú, 1742 – sala 51 - São Paulo (SP) - CEP: 01420-002 • 11 3068-8595 / 8618 / 8901 / 8675 • Fax: 3081-6892 

SBP-RS • R. Carlos Gomes, 328/305 - Porto Alegre (RS) - CEP: 90480-000 • 51 3328-9270 / 9520 

Memorial • Rua Cosme Velho, 381 - Cosme Velho (RJ) - CEP: 22241-125 • 21 2245-3110