Associe-se

ARTIGO

Benefícios da amamentação para a mãe - Dr. José Luiz Setúbal

ARTIGO

Benefícios do leite materno no sistema imunológico do bebê - Dr. José Luiz Setúbal
Uma Campanha com Abrangência Nacional
Documentos Científicos
Notícias

31 RAZÕES PARA AMAMENTAR - uma para cada dia do mês dourado

1. A amamentação diminui a mortalidade de crianças. 

Estimativas recentes sugerem que a amamentação, se fosse ampliada para níveis quase universais, poderia prevenir cerca de 12% das mortes de crianças menores de 5 anos a cada ano, ou cerca de 820.000 mortes em países de média e baixa renda.  

REFERÊNCIA:

Victora CG, Bahl R, Barros AJD, França GVA, Horton S, Krasevec J, et al. Breastfeeding in the 21st century: epidemiology, mechanisms, andlifelongeffect. Lancet. 2016;387(10033):2089-90.

Disponível neste link


2. A amamentação exclusiva protege contra mortes infantis causadas por doenças infecciosas.

Crianças menores de 6 meses amamentadas exclusivamente tem risco 41% menor de morrer que as crianças em aleitamento materno predominante, 78% menor que as em aleitamento materno parcial e 88% menor que as não amamentadas.

REFERÊNCIA:

Sankar MJ, Sinha B, Chowdhury R, et al. Optimal breastfeeding practices and infant and child mortality. A systematic review and meta-analysis. Acta Paediatr. 2015; published online Aug 7. 

Disponível neste link


3. A amamentação diminui o risco da Síndrome da Morte Súbita do Lactente.

As crianças amamentadas têm risco 36% menor de serem vítimas da Síndrome da Morte Súbita do Lactente.

REFERÊNCIA: Ip S, Chung M, Raman G, et al. Breastfeeding and maternal and infant health outcomes in developed countries. Rockville, MD,USA: Agency for Healthcare Research and Quality, 2007.

Disponível neste link.


4. A amamentação poderia prevenir mais da metade dos episódios de diarreia.

As crianças amamentadas possuem menos risco de ter diarreia:redução de 63% em menores de 6 meses e de 54% em crianças entre 6 meses e 5 anos,quando comparadas com crianças não amamentadas ou amamentadas por um período menor.

REFERÊNCIA: Horta BL, Victora CG. Short-term effects of breastfeeding: a systematic review of the benefits of breastfeeding on diarrhoea and pneumonia mortality. Geneva: World Health Organization, 2013.

Disponível neste link.


5. A amamentação não só previne o aparecimento de episódios de diarreia, como também diminui a gravidade da doença.

Mais de dois terços das internações hospitalares por diarreia em crianças menores de 5 anos (72%) poderiam ser prevenidas com a amamentação.

REFERÊNCIA: Horta BL, Victora CG. Short-term effects of breastfeeding: a systematic review of the benefits of breastfeeding on diarrhoea and pneumonia mortality. Geneva: World Health Organization, 2013.

Disponível neste link.


6. A amamentação poderia prevenir um terço das infecções respiratórias nos 2 primeiros anos de vida.

Crianças amamentadas menores de 2 anos tem um risco 32% menor de adquirir infecção respiratória baixa quando comparadas com crianças não amamentadas ou amamentadas por um período menor.

REFERÊNCIA: Horta BL, Victora CG. Short-term effects of breastfeeding: a systematic review of the benefits of breastfeeding on diarrhoea and pneumonia mortality. Geneva: World Health Organization, 2013.

Disponível neste link


7. Crianças amamentadas têm menos internações por infecção respiratória baixa nos primeiros 2 anos de vida.

Mais da metade das internações por infecções respiratórias baixas (57%) em crianças menores de 2 anos poderiam ser evitadas pelo aleitamento materno.

REFERÊNCIA: Horta BL, Victora CG. Short-term effects of breastfeeding: a systematic review of the benefits of breastfeeding on diarrhoea and pneumonia mortality. Geneva: World Health Organization, 2013.

Disponível neste link.


8. A amamentação protege contra hospitalização por bronquiolite.

As crianças amamentadas por menos de 1 mês tiveram risco 7 vezes maior de serem hospitalizadas por bronquiolite aguda nos primeiros 3 meses de vida.

REFERÊNCIA: Abernaz EP, Menezes AMB, César JA, et al. Risk factors associated with hospitalization for bronchiolitis in the post neonatal period. Rev Saúde Pública. 2003; 37: 485-93

Disponível neste link.


9. A amamentação protege contra otite média aguda nos primeiros 2 anos de vida.

A amamentação reduz  em  33% o risco de otite média aguda nos primeiros 2 anos de vida.

REFERÊNCIA: Bowatte G, Tham R, Allen KJ, et al. Breastfeeding and childhood acute otitis media: a systematic review and meta-analysis. Acta Paediatr Suppl. 2015; 104: 85-95.

Disponível neste link.


10. A amamentação protege contra rinite alérgica nos primeiros 5 anos de vida.

A amamentação reduz em 21% o risco de rinite alérgica nos primeiros 5 anos de vida.

REFERÊNCIA: Lodge CJ, Tan DJ, Lau M., et al. Breastfeeding and asthma and allergies: a systematic review and meta-analysis. Acta Paediatr Suppl. 2015; 104: 38-53.

Disponível neste link.


11. A amamentação exclusiva protege contra eczema.

Crianças amamentadas exclusivamente por mais de 3-4 meses têm risco 26% menor de apresentar eczema nos primeiros 2 anos de vida.

REFERÊNCIA: Lodge CJ, Tan DJ, Lau M., et al. Breastfeeding and asthma and allergies: a systematic review and meta-analysis. Acta PaediatrSuppl. 2015; 104: 38-53.

Disponível neste link.


12. O aleitamento materno protege contra enterocolite necrosante

Recém-nascidos alimentados com leite materno têm risco 58% menor de desenvolver entrerocolite necrosante.

REFERÊNCIA: Ip S, Chung M, Raman G, et al. Breastfeeding and maternal and infant health outcome in developed countries. Rockville, MD,USA: Agency for Healthcare Research and Quality, 2007.

Disponível neste link.


13. A amamentação protege contra leucemia na infância.

As crianças amamentadas por 6 meses ou mais, quando comparadas com as que mamampor menos tempo ou não são amamentadas,têm risco 20% menor de apresentar leucemia.

REFERÊNCIA: Amitay EL, Keinan-Boker LK. Breastfeeding and Childhood Leukemia Incidence: a meta analysis and systematic review. Jama Pediatr. 2015; 169(6):e151025.

Disponível neste link.


14. O aleitamento materno está associado com melhor desempenho nos testes de inteligência em crianças e adolescentes.

Estima-se que crianças amamentadas possuam quociente de inteligência (QI) 3,4 pontos maior na infância e adolescência do que o de crianças não amamentadas. Indivíduos amamentados por 12 meses ou mais apresentaram, aos 30 anos de idade, QI até 3,8  pontos mais elevado quando comparados àqueles amamentados por menos de 1 mês.

REFERÊNCIAS:

· Horta BL, Loret de Mola C, Victora CG. Breastfeeding and intelligence: a systematic review and meta-analysis. Acta Paediatr. 2015;104:14-9

Disponível neste link.

· Victora CG, Horta BL, Mola CL, et al. Association between breastfeeding and intelligence, educational attainment, and income at 30 years of age: A prospective birth cohort study from Brazil. Lancet Global Health. 2015;3:199–205.

Disponível neste link.


15. A criança amamentada é mais estimulada.

As mães que amamentam gastam significativamente mais horas por semana alimentando, carregando, segurando, acalmando ou cuidando da criança.

REFERÊNCIA: Smith JP, Forrester R. Maternal time use and nurturing:analysis of the association between breastfeeding practice and time spent interacting with baby. Breast Med. 2017; 12: 269-78.

Disponível neste link.


16. O aleitamento materno está associado com maior escolaridade.

Indivíduos amamentados por mais de 1 ano, quando comparados com os amamentados por menos de 1 mês, apresentaram aproximadamente 1 ano a mais de escolaridade.

REFERÊNCIA: Victora CG, Horta BL, Mola CL, et al. Association between breastfeeding and intelligence, educational attainment, and income at 30 years of age: A prospective birth cohort study from Brazil. Lancet Global Health. 2015;3:199–205.

Disponível neste link.


17. Indivíduos amamentados possuem maior renda na idade adulta.

Indivíduos amamentados por mais de 1 ano, quando comparados com os amamentados por menos de 1mês, apresentaram renda maior, em torno de R$350,00, na idade adulta. O QI foi responsável por 72% dos efeitos da amamentação sobre a renda.

REFERÊNCIA: Victora CG, Horta BL, Mola CL, et al. Association between breastfeeding and intelligence, educational attainment, and income at 30 years of age: A prospective birth cohort study from Brazil. Lancet Global Health. 2015;3:199–205.

Disponível neste link.


18. A amamentação reduz maloclusões na dentição descídua.

Dois terços das maloclusões em crianças com dentição descídua poderiam ser evitadas com a amamentação.

REFERÊNCIA: Peres KG, Cascaes AM, Nascimento GG, Victora CG. Effect of breastfeeding on malocclusions: a systematic review and meta-analysis. Acta Paediatr Suppl. 2015; 104: 54-61.

Disponível neste link.


19. O aleitamento materno tem efeito positivo na qualidade da mastigação de pré-escolares.

Crianças amamentadas por 12 meses ou mais apresentam melhor função da mastigação quando comparadas com crianças que amamentam por menor período.

REFERÊNCIA: Pires SC, Giugliani ERJ, Silva FC. Influence of the duration of breastfeeding on quality of muscle function during mastication in preschoolers: a cohort study. BMC Public Health.2012; 12:934.

Disponível neste link.

 
20. O aleitamento materno protege contra sobrepeso/obesidade.

O aleitamento materno poderia reduzir em 26% o risco de sobrepeso/obesidade na infância, adolescência e idade adulta.

REFERÊNCIA: Horta BL, de Mola CL, Victora CG. Long-term consequences of breastfeeding on cholesterol, obesity, systolic blood pressure, and type-2 diabetes: systematic review and meta-analysis. Acta Paediatr Suppl. 2015; 104: 30-37.

Disponível neste link.


21. Crianças amamentadas têm risco diminuído de diabetes tipo 2.

O aleitamento materno poderia reduzir em 35% o risco de diabetes tipo 2 na infância, adolescência e idadeadulta.

REFERÊNCIA: Horta BL, de Mola CL, Victora CG. Long-term consequences of breastfeeding on cholesterol, obesity, systolic blood pressure, and type-2 diabetes: systematic review and meta-analysis. Acta Paediatr Suppl. 2015; 104: 30-37.

Disponível neste link.


22. A amamentação previne o câncer de mama. 

Estima-se que o risco de contrair carcinoma de mama seja 22% menor para as mulheres que amamentaram quando comparadas às que nunca amamentaram, com evidente efeito dose-resposta: redução de 7% em mulheres que amamentaram por um período total menor que 6 meses, de 9% naquelas que amamentaram de 6 a 12 meses e de 26% nas que amamentaram por mais de 12 meses.

REFERÊNCIA: Chowdhury R, Sinha B, Sankar B, Taneja S, Bhandari N, Rollins N, et al. Breastfeeding and maternal health outcomes: a systematic review and meta-analysis. Acta Paediatr. 2015;104:96–113.

Disponível neste link.


23. A amamentação aumenta a sobrevida em mulheres com câncer de mama. 

As mulheres submetidas a cirurgia por câncer de mama que nunca amamentaram ou que amamentaram por 6 ou menos meses tiveram um risco quase 3 vezes maior de morrer pela doença quando comparadas com as que tiveram uma história de amamentação maior que 6 meses. Estima-se que 19.464 mortes anuais por câncer de mama são prevenidas com as atuais taxas de aleitamento materno e que um adicional de 22.216 mortes poderiam ser prevenidas se a duração do aleitamento materno fosse de pelo menos 12 meses nos países desenvolvidos e de 24 meses nos de média e baixa renda.

REFERÊNCIAS:

· Loof-Johanson M, Brudin L, Sundquist M, CE Rudebeck. Breastfeeding associated with reduced mortality in women with breast cancer. Breast Med. 2016; 11: 321-327.

· Victora CG, Bahl R, Barros AJD, França GVA, Horton S, Krasevec J, et al. Breastfeeding in the 21st century: epidemiology, mechanisms, and lifelong effect. Lancet. 2016;387(10033):2089-90.

Disponível neste link.



24. As mulheres que amamentam têm menor risco de câncer de ovário.

O risco de contrair câncer de ovário poderia ser reduzido em 30% se as mulheres amamentassem por mais tempo. Estima-se que para cada mês de amamentação haveria uma redução de 2% no risco de contrair a doença.

REFERÊNCIA:

· Chowdhury R, Sinha B, Sankar B, Taneja S, Bhandari N, Rollins N, et al. Breastfeeding and maternal health outcomes: a systematic review and meta-analysis. Acta Paediatr. 2015;104:96–113.

Disponível neste link.

· Feng LP, Chen HL, Shen MY. Breastfeeding and the risk of ovarian cancer: a meta-analysis. J Midwifery Womens Health. 2014;59: 428–37. 


25. A amamentação protege contra o carcinoma de endométrio.

As mulheres que amamentam tem risco 11% menor de desenvolver câncer de endométrio quando comparadas as que nunca amamentaram. Maior duração da amamentação por criança tem associação com menor risco da doença.

REFERÊNCIA: Jordan SJ, Na R, Renhua Na, Johnatty SE, et al. Breastfeeding and Endometrial Cancer Risk:An Analysis From the Epidemiology of Endometrial Cancer Consortium. Obstet Gynecol. 2017; 129: 1059-67.


26. A amamentação está associada com menor risco de diabetes tipo 2 na mulher.

O risco de contrair diabetes poderia ser reduzido em 32% se as mulheres amamentassem por mais tempo. Estima-se redução de 9% para cada ano de amamentação.

REFERÊNCIA:

· Chowdhury R, Sinha B, Sankar B, Taneja S, Bhandari N, Rollins N, et al. Breastfeeding and maternal health outcomes: a systematic review and meta-analysis. Acta Paediatr. 2015;104:96–113.

Disponível neste link.

· Aune D, Norat T, Romundstad P, Vatten LJ. Breastfeeding and the maternal risk of type 2 diabetes: a systematic review and dose-response meta-analysis of cohort studies. NMCD. 2014;24:107–15.


27. O aleitamento materno exclusivo está associado à diminuição da recorrência de enxaqueca nas lactantes no pós-parto.

As mulheres com enxaqueca antes da gestação e que estavam amamentando exclusivamente tiveram diminuição da recorrência da enxaqueca, com ou sem aura, com 1 e 4 semanas pós-parto.

REFERÊNCIA: Serva WAD, Serva VMSBD, Caminha MFC et al. Exclusive breastfeeding protects against postpartum migraine recurrence attacks. Arquivos de Neuropsiquiatria. 2012; 70:428-434. 

Disponível neste link.


28. A amamentação tem importante impacto na economia.

Estima-se que a ampliação em 10% nas taxas de aleitamento materno exclusivo até 6 meses ou de amamentação continuada até 12 ou 24 meses poderia reduzir em pelo menos 1,8 milhão de dólares os custos anuais com tratamentos de doenças em crianças no Brasil. E se os índices atuais de AM subisse para 90%, a economia seria da ordem de 6 milhões.

REFERÊNCIA: Rollins NC, Bhandari N, Hajeebhoy N, Horton S, Lutter CK, et al. Why invest, and what it will take to improve breastfeeding practices? Lancet. 2016;387:491–504.

Disponível neste link.


29. O aleitamento materno contribui para a equidade.

O aleitamento materno é um dos poucos comportamentos positivos em saúde que é mais prevalente entre os pobres.

REFERÊNCIA: Victora CG, Bahl R, Barros AJD, França GVA, Horton S, Krasevec J, et al. Breastfeeding in the 21st century: epidemiology, mechanisms, and lifelong effect. Lancet. 2016;387(10033):2089-90.

Disponível neste link.

30. O aleitamento materno contribui para a sustentabilidade ambiental e segurança alimentar.

O leite materno é uma alimento natural, renovável, que não causa dano ao meio ambiente, produzido e disponibilizado ao consumidor sem poluição, empacotamento ou lixo.

REFERÊNCIA: Ecomall. Breastfeeding and the environment.

Disponível neste link.

31. A amamentação promove a microbiota intestinal saudável.

Os oligossacarídeos presentes no leite materno são fundamentais para a manutenção de um microbioma saudável na criança, importante para a sua imunidade e também para o desenvolvimento cerebral. 

REFERÊNCIA: Bäckhed F, Roswall J, Peng Y, et al. Dynamics and stabilization of the human gut microbiome during the first year of life. Cell Host & Microbe. 2015;17(5):690–703

Disponível neste link.

Nossos Endereços

SBP-Sede • R. Santa Clara, 292 - Rio de Janeiro (RJ) - CEP: 22041-012 • 21 2548-1999 

FSBP • Alameda Jaú, 1742 – sala 51 - São Paulo (SP) - CEP: 01420-002 • 11 3068-8595 / 8618 / 8901 / 8675 • Fax: 3081-6892 

SBP-RS • R. Carlos Gomes, 328/305 - Porto Alegre (RS) - CEP: 90480-000 • 51 3328-9270 / 9520 

Memorial • Rua Cosme Velho, 381 - Cosme Velho (RJ) - CEP: 22241-125 • 21 2245-3110